segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

CONVERSAS À MESA DE NATAL

Há sempre estórias de familia para recordar quando estamos juntos. Este jantar de Natal não foi excepção. Aqui fica uma linda estória contada pelo meu pai;

Os meus pais são os dois alentejanos. Há mais de 34 anos atrás existia a guerra do Ultramar. O meu pai foi um dos muitos portugueses a combater além fronteiras. Ora bem, quando veio para Lisboa tinha o que agora equivale ao 9º ano, na minha opinião, a antiga 4ª classe. Só que naquele tempo não havia aulas de Inglês na escola primária. Portanto o meu pai não mandava uma para caixa nessa matéria. Ao entrar no barco para África deparou-se com estes dizeres:

NÃO FUMAR
NO SMOKING

Perante isto o que foi que leu? Não fumar no smoking. Ou seja; para ele o smoking devia ser uma sala qualquer algures no navio. Claro que passado algum tempo veio a descobrir que afinal NO SMOKING, estava escrito numa lingua estrangeira, o Inglês e queria dizer NÃO FUMAR.

Esta estória runs in the familly, mas cada vez que ele a conta nós rimo-nos quase como se fosse a primeira vez que a ouvimos.
Agora temos uma nova; a da minha cunhada que é uma rapariga que sempre teve optimas notas a Inglês.
Reza a lenda que, estando ela numa aula de Inglês no liceu, heis que batem à porta e ela, educadamente responde;
- Between! - Isto em frente à aula toda. Lindo!

Então caros amigos, aqui vos deixo com um conselho de amiga;

If don't doors well you are here you are there!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

BOAS FESTINHAS DA VOSSA BICHANA ONLINE

Веселого Рождества!
クリスマスおめでと。

สุขสันต์วันคริสต์มาส
Noflike Krystdagen

শুভ বড়দিন

圣诞快乐! Καλά Χριστούγεννα

LA MULTI ANI CRACIUN FERICIT
F E L I Z N A T A L

domingo, 21 de dezembro de 2008

UMA ESTÓRIA DE AMOR

Apaixonei-me pela primeira vez quando tinha 14 anos.
O meu pai era policia, portanto tinhamos direito a casas de habitação social. Mudámo-nos para o bairro de Chelas quando eu tinha 13 anos. Os meus pais sempre foram muito retrógados. Eu não podia sair com os meus amigos, não podia sair à noite,enfim, tratavam-me como se tivesse sempre 10 anos. A adolescência era um conceito desconhecido na cabeça deles.
Então conheci o Vitor, pela janela do meu quarto. Lembro-me tão bem! Ele era um puto sem barba com mais 1 ano que eu. Passava os fins de tarde à janela para ver se o via. Ele já trabalhava nessa altura. Era daqueles putos rebeldes que seguem à risca as letras das musicas dos Bon Jovi e do Bruce Springsteen, como se fossem uma religião. "Tommy used to work on the docks".... Pois é... Lembro-me do meu primeiro beijo dado por ele ao lusco fusco, uma noite depois do jantar. Fui despejar o lixo e ele lá estava à minha espera. Ainda tenho o diário onde escrevia todas estas aventuras. Acho que se o publicasse agora era um best -seller.
Chegámos a namorar ainda uns anitos. Viamo-nos quando eu ia para o liceu logo pela manhã. Quando voltava ao fim do dia, ele ia buscar-me. Muitas vezes me baldei às aulas e ele ao trabalho para estarmos juntos.
Mas meus pais tanto fizeram, que conseguiram separar-nos. Mudei de casa. Chelas. Mas Chelas é um mundo. A distância acabou por fazer com que ele engravidasse uma outra rapariga. A velha musica do Bruce Springsteen: " Then I got Mary pregnant..." (The River). A vida deste homem é uma musica dos anos 80.
Passados 10 anos encontrámo-nos um dia, por acaso no autocarro e tudo voltou. Foi aí que, finalmente houve pinocada e foi aí também que a magia acabou.
Eu trabalhava no posto de turismo da Câmara de Lisboa nos Restauradores. Uma vez ele foi lá buscar-me. Apanhei uma vergonha....Ele de camisola de alças branca, com um fio de ouro grosso ao pescoço...Céus! Mas ultrapassei isso; era o meu Vitor que ali estava.
Nessa altura acabei por perceber que os nossos mundos eram muito diferentes. Ou seja "Tommy works on the docks", sim, mas a"Gina works the diner all day", não era para mim. Nessa altura já tinha tirado um bacharelato, estava no meio da lincenciatura e aprendia linguas uma atrás das outras. Ele achava isso tudo um disparate. Para quê tanta coisa, tantas linguas, tantos cursos? Deu-me cabo da cabeça um verão inteiro. Tinha-me reencontrado, era só isso que lhe interessava. Iamos ficar juntos, pensava ele. No fim do Verão acabei tudo. Nunca seria feliz no mundo dele. Acabei por perceber.
Afinal o amor não resiste a tudo. Não resiste a tanta diferença.
Ele casou de novo com uma rapariga, que, deve ser, a mulher que todos os homens gostariam de ter. Feia como os trovões, mas de uma dedicação que eu nunca na vida teria. Ele é pintor de construção civil. Ela trabalha como doméstica em casas de familia. A pobre mulher levanta-se todos os dias mais cedo para fazer o almoço para ele levar para o trabalho, porque o senhor não gosta de comida aquecida do dia anterior! Ele não faz NADA em casa. Quando chega já tem tudo feito. A vida resume-se a levantar-se e ir trabalhar todos os dias. Fonix! De vez em quando falamos e ele fala-me da vida dele, de como podia ser feliz se tivesssemos ficado juntos. Já lhe disse que nunca ia dar certo. Eu não sou mulher para lhe dar a vida que ele tem. Preciso de mais que isso para ser feliz. E sou feliz agora.
O tempo parou naquela cabeça. Para ele vamos ter sempre 14 anos.
Como a minha vida poderia ter sido diferente se tivessemos ficado juntos! Neste momente decerto não teria dentes e estaria gorda e flácida. Em compensação teria um bando de filhos uma casa da câmara de Cascais e um carro novo de 3 em 3 anos (O meu tem 9 anos) . Euribor??? O que é isso?!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

RECORDAÇÕES DE NATAIS MAIS LEVES




Para quem tem menos de 25 anos, provavelmente este video não signifca nada.
Para mim, é a recordação de um tempo em que a vida me pesava menos. Não havia a prestação da casa, a ginástica que tenho que fazer para o ordenado chegar ao final do mês, o jogo de cintura que tenho que fazer para o cabrão do moldavo me pagar o subsidio de Natal....e o de férias.

Não havia a idade que já pesa nos meus pais, a consciência de que posso ficar sem eles dentro de menos tempo do que gostaria. Olho-me ao espelho e parece que o tempo não passou assim tanto, mas quando olho para eles...custa-me a crer que há bem pouco tempo, estavam aí cheios de vitalidade, a repreender-me pelas merdas que fazia. Custa pensar que, se calhar no ano que vem, já não tenho o meu pai no Natal. Nunca tive medo de ficar sozinha no mundo, mas ultimamente esse fantasma assombra-me frequentemente. Sempre tive quem olhasse por mim e agora, sou eu a olhar pelos meus filhos. Sou eu a pessoa crescida que nunca pensei que pudesse vir a ser. Aos 39 anos penso que cheguei à idade adulta.

Tenho saudades de ser mais leve. A responsabilidade pesa.

Hoje estou assim. Uma gata nostalgica.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Sim sim ...oh siiiimm

No sábado foi dia de vôo da nossa companhia. Era suposto o vôo sair às 23h15, mas atrasou.
Mesmo assim , o check inn era para começar às 10h00.
A minha colega estava aqui sozinha e viu-se a braços para lidar com a situação de ter que informar os passageiros que o vôo estava atrasado.
Estava tudo à espera do meu chefe para abrir o check inn (ele é o chefe de escala) e ele ...nada.
Ela, já furiosa, liga-lhe:

- Chefe, está todo o mundo esperando por você para abrir o check inn, e o vôo tá atrasado ( É brazuca , ela)
Do outro lado, gemidos e uma respiração ofegante:

- Ahhh sim oh siiim... obrigada por ter ligado. Ahhh diga que podem iniciar o check in..Oh sim sim..


Inacreditável não é?

O gajo estava em pleno acto com a hungara quando a minha colega ligou!

A pobre ligou-me a contar o sucedido.

- Meu Deus do céu- dizia ela -Como é que eu vou olhar agora pra cara dele, Meu Deus?! Essa mulher é poderosa. Olha! Que do jeito que ele gemia, ele não vai largar dela tão cedo! Minha Nossa! Eles deviam tar no meio do maior fuck e ele me atende o telefone?!

Enfim...

What can I say more?

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

ESTÓRIA NOJENTA ( Quem for susceptivel não leia)

Como o titulo indica, este post é particularmente nojento. Não me responsabilizo por eventuais estados de agonia que daqui possam advir.
Entre os 13 e os 22 anos passei férias na Costa da Caparica. Mais propriamente na Praia Nova, que fica mesmo em frente à famosa Torre das Argolas.
Como quase 50% da população portuguesa, tenho família emigrada em França. A minha prima Elisabeth ( com H no fim, claro), todos os anos vinha passar férias comigo. O mês inteirinho de Agosto a torrar ao sol da Caparica, numa casa pré fabricada que ficava mesmo ao lado do bar Cuica. Foi demolida quando foram todas. Belos tempos! Nunca esquecerei os concertos do José Malhoa, acompanhado pela ainda criança Ana Malhoa. "Sol, Sol, sol, sol de Verão.. brilha pra nós outra vez..." Se pensavam que era esta a parte nojenta deste post, estão muito enganados. Essa vem a seguir.
Eu e a minha prima passávamos as noites de verão a jogar às cartas com o meu irmão e o meu pai. Ela devia ter uns 12 anos, eu 16 e o meu irmão 10. Tadinho do meu irmão...santa inocência! Ia ter que esperar ainda 7 anos para que lhe fosse feito o seu primeiro bico ( para quem não leu, é favor ver o post anterior)!
Pois numa dessas noites, estávamos nós a jogar á sueca, quando a minha prima disse:
- Não faz batota que eu vai cagar. - Ela falava mal português, mas sabia o principal.
E foi.
Quando voltou continuámos a jogar.
No dia seguinte quando acordámos o meu pai disse:
- Quem é que foi à casa de banho à noite e não puxou o autoclismo?
E responde a Elisabeth:
- Eu foi! Mas puxou e o cóiso não foi pra baixo.
E responde o meu pai:
- Olha! Pensava que tinham deitado um pau para dentro da sanita, fui pegar naquilo, fiquei com as mãos todas cagadas! Porra!
Vocês nem imaginam o que nós rimos com aquilo! A imaginar o meu pai a olhar para dentro da sanita com ar de ponto de interrogação, a puxar o autoclismo vezes sem conta e, por fim, a pegar no belo torso e verificar que não era nada mais nada menos que merda no seu mais puro estado.
Ainda agora, a escrever isto, tive que parar pelo menos duas vezes e rir que nem uma parva sozinha no balcão.
Enfim, já tive a minha sessão de abdominais.
Uuuuuffff!

domingo, 7 de dezembro de 2008

INICIAÇÃO SEXUAL

No meu post "À Descoberta da Keka" houve um comentário lindo do meu maninho que dizia "Vou contar aos pais". Ai sim maninho??? Então aqui fica uma estória linda da tua vida.

Tinha ele 17 anos e eu 23. Iniciei -o na má vida. Levava-o comigo nas saídas nocturnas com pessoal da universidade. Uma noite saí com vários colegas entre eles a Rute do 2º ano de Turismo, 19 aninhos, tarada sexual. Andava a fazer uma lista dos gajos que já tinha comido desde que o ano lectivo começara. Fomos para o Bairro Alto e bebemos que nem umas doidas. E o meu irmão connosco. Corremos alguns bares e a meio da noite já via o meu irmão com a mão por dentro da camisa dela. Enfim...era a Rute. Por fim, e para acabar em grande, fomos a um ultimo bar e toca de emborcar B52s e TGVs. Dizia eu:

- Porra já bebi 3 B52s e 1 TGV e esta merda não bate nada. Vamos embora.

E fomos. Assim que saí do bar comecei a ver tudo andar à roda e disse á Rute ;

- Xiiii tou que nem posso! Afinal aquela merda bate mesmo. E lá fui, toda torta agarrada ao meu irmão e à Rute, rua abaixo para a apanhar um taxi. Ia a descer a calçada quando, encostado a um bar, vejo o Rui, gajo que eu já não via havia uns 10 anos. Não o via desde que ele saira da minha casa tinha eu 13 anos a bater com os calcanhares no cu depois de ter pedido à minha mãe para namorar comigo. Cumprimentei-o e fui-me embora a lamentar-me por ele ter dado em gay.

Chegados a casa ( A Rute ia dormir na minha casa), o meu irmão foi para o quarto dele, que era em frente ao meu e ao lado do dos meus pais. Eu e a Rute fomos para o meu. A minha cama era de solteira, portanto iamos dormir apertadas. Mas com a bebedeira que eu tinha em cima, ia dormir de certeza. E dormi. Que nem uma santa. No dia seguinte acordei e disse à Rute.

- Bem, dormi tão bem que nem te senti Rute.

Ela não respondeu.

Despedimo-nos e ela foi para a casa dela.

O meu irmão assim que acordou foi directamente a casa do Pedro, o nosso vizinho do lado.
Achei aquilo estranho. Mas pronto.

Passaram-se dois dias. E dois dias depois perguntei ao meu irmão;

- Olha lá, posso saber porque é que no Domingo passado quando acordaste foste logo a casa do Pedro?
- Juras que não contas aos pais?
- Juro, diz lá.
- É que a Rute naquela noite que dormiu cá, foi ter comigo ao quarto...e fez-me um bico. E depois olha...foi a noite toda. Fui a casa do Pedro contar-lhe.
- És mesmo estupido! A tua cama range. É ao lado do quarto dos pais...Oh Meu Deus! E a Rute, aquela maluca. Queria ver se os pais acordassem!

Passados dias, quando ela fazia a lista dos gajos já comidos desde que as aulas tinham começado ,eu disse-lhe;

- Podes por aí o nome do meu irmão. Maluca!

Ela corou, pôs o nome e pronto...a coisa ficou por aí.

Deve ter sido o teu primeiro bico hã maninho!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

NOTICIA DE ÚLTIMA HORA

EXTRA EXTRA EXTRA EXTRA EXTRA EXTRA EXTRA EXTRA

O meu chefe vai-se divorciar da boazuda da mulher dele!

Já estão separados.

A qualquer momento posso actualizar este blog com novas e frescas noticias.

Oh yes !!!!!!!!!!!!!

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

À DESCOBERTA DA KECA

Caros leitores, hoje trago-vos uma estória da minha adolescência.
Vivi a minha adolescência nos anos 80 ( como sabem, sou rapariga para 39 anitos). Nessa altura não era tão comum como agora, iniciar a vida sexual antes dos 18 anos. Os miudos agora são muito precoces. Ora eu..agora você vão gozar comigo..perdi a bela membrana aos 21 anos. Pois é. O meu namorado era músico, baterista. O belo momento foi num palco onde ele costumava ensaiar. Os tempos que se seguiram foram de pura descoberta da keca em si, e muitas vezes tinham lugar na minha casa, pela manhã. Os meus pais saiam para trabalhar e ele entrava, literalmente. Ora numa dessas vezes aconteceu que, o meu pai, que era policia e tinha trabalhado de noite, resolveu regressar a casa pelas 10 da manhã. Lindo! Assumir o que estávamos a fazer era impensável Nem tal coisa me passava pela cabeça! É que, embora eu tenha casado aos 30 anos, para os meus pais eu era virgem. Ah pois é!
Então o que é que vocês acham que nós resolvemos fazer? O desgraçado do meu namorado tinha 1,85, adivinhem onde ele foi parar completamente nu? Ao meu guarda vestidos. Já estávamos a ver o filme todo; a minha mãe a chegar para almoçar ao meio dia, eu e os meus pais a almoçar e ele dentro do guarda vestidos até por volta das 14h00 quando todos saiam novamente. Oh Meus Deuses! Angustia das angustias! Vida cruel!
Então, passado pouco tempo, o meu pai saiu. Foi lavar o carro que estava estacionado à porta de casa. Estávamos melhor. Pelo menos ele podia sair do guarda vestidos. O problema, era que não ia conseguir sair do prédio sem ser visto. Então lembrei-me de ir à janela;
-Oh pai, não queres ir ali à mercearia comprar-me um sumo para o almoço?
O meu pai sempre foi muito resingão por isso, isto foi um tiro no escuro. O mais certo era ele dizer que não.
- O quê ? Bebe água! Era o que faltava! Não vou!
- Vá lá pai! Tá-me mesmo a apetecer!
- Porra! Tá bem pronto.
E lá foi ele a resmungar entre dentes tipo o cão Montley.
Enfim... foi a nossa sorte.
O pobre do meu namorado, branco como a cal da parede. Fugiu pela porta que nem um tiro. Deu a volta ao prédio para não ser visto e correu a bater com os calcanhares no cu, até à paragem de autocarro.
Uuuuuffff!!!!!!!!!!
Esta estória nunca será esquecida. Ainda há pouco tempo foi recordada num jantar de turma de liceu. Rimos todos que nem doidos. Ele a dizer que o meu pai andava armado ( claro, era policia), que sempre tinha olhado para ele pelo canto do olho, que preferia não arriscar...enfim.
Estórias da nossa vida!
Não casámos,namorámos 5 anos e ainda hoje somos grandes amigos.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

O CARTOMANTE


No verão passado fui a um cartomante. Precisava de saber como ia ficar a minha vida profissional. Estava na agência havia 3 meses e tinha descoberto pouco tempo antes as falcatruas e ilegalidades do meu chefe. Este cartomante é um velho conhecido da minha cunhada e já por várias vezes previu coisas que mais tarde se vieram, de facto, a passar. Na altura o homem disse que o meu chefe tinha uma vida dupla. Achei estranho pois, já conhecia a mulher dele e para mim era deveras extraordinário que um homem que tem uma mulher daquelas tivesse outras mulheres. Disse também que esta não era a empresa da vida dele e que, não tardava muito, ele iria sair de Portugal para um país da Europa que não o dele, com uma mulher que tem 2 filhos.


Ora caros amigos, sei que muitos de vós são cépticos no que diz respeito a cartomantes e afins, mas vejam bem; passados meses venho a saber que, de facto o meu chefe anda com uma Hungara e que até já teve uma lua de mel com ela num hotel em Budapeste. A dita está hospedada em Portugal num hotel de luxo há mais de 1 mês... (pago por ele, certamente!) só me falta saber se tem 2 filhos.


Ah pois é! O cartomante de Elvas não brinca em serviço!

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

SER PROFISSIONAL COMPENSA

As pessoas que trabalham no aeroporto são extremamente antipáticas e mal educadas. Já tive a minha conta de más respostas, mau feitio e falta de humanidade desde que aqui estou. E só aqui estou há 2 meses. Com tal, desde que haja alguém que sorria atrás de um balcão e seja profissional q.b. os clientes ficam extasiados e nunca mais largam essa pessoa. Claro que isso provoca muita dor de cotovelo nos outros trabalhadores do aeroporto.
Como sempre gostei de lidar com pessoas e ajudá-las, para mim não tem sido dificil. É que começo a imaginar pessoas, longe dos países de origem, muitas vezes sem falarem bem qualquer lingua, muitas vezes sem dinheiro, não deve ser fácil. Também já me aconteceu ir viajar e ficar sem malas durante 2 dias. Foi dificil, mas como estou no meio, desenrasquei-me bem e ainda comprei roupa à pala da Lufthansa.
Isto tudo para vos contar que, há umas semanas, atrás atendi aqui 3 brasileiros cheio de guito que iam viajar para Moscovo. Procuravam o preço mais baixo possivel (é assim que se faz fortuna), um hotel e um aluguer de carro. Pois bem, atendi os senhores da melhor maneira com a melhor simpatia, arranjei as passagens aéreas, aconselhei o hotel e aluguei o carro. Este é o meu trabalho. Acontece que eles vão abrir nos próximos tempos uma Companhia aérea em Portugal e foram a Moscovo para ver aviões. Gostaram tanto de mim que me convidaram para trabalhar com eles. Deram-me o cartão e disseram para mandar um mail com o meu CV. Claro que não perdi tempo e já mandei. Estou mesmo mortinha por me livrar desta dor de barriga que é a minha vida aqui, sempre com o coração nas mãos à espera do que pode vir a seguir.
Heis aqui a resposta:
C, Recebemos o seu e-mail. Pelo nosso entendimento, meu e do M., você atende, muito bem, tudo aquilo que desejamos para o gerenciamento do nosso escritório em Lisboa. Estamos nas negociações finais por aqui em Brasília e, em breve, devemos anunciar a Empresa. Manteremos contato e nos atualizaremos melhor e aos poucos, aí, também, veremos como poderemos fazer a sua inclusão na Empresa.Muito obrigado!H.
E só fiz o meu trabalho. Qualquer pessoa é capaz de fazer o que eu fiz. Não foi nada de mais.
Claro que até ao lavar dos cestos é vindima e não posso deixar de procurar outras coisas enquanto espero. Com a corrupção que há no Brasil, sei lá se, entretanto eles não se decidem por outro caminho. We never know!
Mas, anyway e em any case....my dear boss, you are going with the pigs. Oh Yess!!!!!!!!!!! Me aguarde!

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

SEM NADA PARA FAZER....

Estes são os nossos pés...



Enfim...quando não há clientes inventa-se.



Aiiiiiiiiiiiiiiiiii! Lembrei-me de uma coisa importante enquanto escrevia isto....eu e a minha cara metade comprámos um brinquedo a pilhas há uns tempos atrás. Entretanto mandei a minha mulher a dias arrumar todas as gavetas da casa e pus o dito dentro do porta bagagens do carro, para a senhora não ter um ataque quando visse aquilo. Coitada. Ela já tem 60 anos...há que ter respeito.

Acontece que o carro foi para a oficina e não tirei o instrumento do porta bagagens!

Oh meus deuses......!!!!
I'm donne to the steak!




segunda-feira, 24 de novembro de 2008

FONIX!

Hoje tou f........... com o meu chefe. Mesmo furiosa. Acho que era capaz de lhe dar uma coça! Então o cabrão de merda, que não tem outro nome roubou-nos 90.00 eur ! É verdade. Aproveitou-se duma distração da maluca da minha colega e, pimba! A pobre criatura não contabilizou a venda de um bilhete, a ultima venda do dia, mas pôs o guito todo dentro do envelope. O animal, aproveitando-se disso, pôs a mão na massa. Já me tinha feito isto a mim, mas foi com 30 Eur. Achei que me tinha enganado num troco e assumi o erro. Mas 90 Eur, não é um erro de troco. É roubo! Numa outra ocasião fez desaparecer 20 Eur da minha caixa. Só que eu, antes de entregar as vendas do dia na contabilidade, contei o dinheiro umas 5 vezes. Portanto, quando me disseram que faltavam 20 Eur na caixa eu disse "Não, não! Contei o dinheiro varias vezes e estava certo. Fala com o chefe" A gaja da contabilidade falou e ele disse com a maior cara da pau, que tinha tirado 20 Eur e se tinha esquecido de avisar.
Agora, desta vez é demais! 90 Eur! Fonix! Isto passou-se a semana passada. Passados 2 dias do dinheiro ter desaparecido, ele apareceu aqui na loja do aeroporto. Falei com ele:
- Chefe, você tem que arranjar maneira de não nos desaparecer dinheiro. Nós assim não trabalhamos. Arranje-nos uma conta no banco aqui do aeroporto para nós fazermos depósitos todos os dias. Nós não somos parvas. Sabemos que estamos a ser roubadas. Só não sabemos por quem. Se a S. quizesse roubar os 90.00 Eur, não tinha facturado o bilhete, nem o tinha posto no relatório. Portanto, alguém se aproveitou duma distração dela e lhe roubou 90.00 Eur da caixa.
- Então vocês acham que estão a ser roubadas?
- Não achamos. Temos a certeza.
- Isso hoje fica resolvido.
E ficou. Abriu uma conta para nós no banco. Aproveitou o facto de estar em Portugal o big Boss da Moldávia. Só que o cartão dos depósitos nocturnos, só funcionou 1 dia. No Sábado quando fomos tentar fazer os depósitos das vendas, a banda magnética do cartão tinha deixado de funcionar. E no Domingo, quando chegámos à loja, o dinheiro tinha desaparecido.Eram mais de 3000 Eur. A loja fechou ás 23h00 no Sábado. O que significa que ele esteve cá, de propósito para vir buscar o dinheiro.
Oh Meu Deus!
Sei tanta coisa sobre ele! Coisas que o Director Geral não sabe. Coisas que ele mesmo não sabe que eu sei. Ele não sabe que eu sei que ele tem processos em tribunal por burla e falsificação de documentos. Sei, porque conheço pessoas com determinados cargos que me confirmaram certos factos. Só que ele pensa, que eu penso ( ai Meu Deus este português!) que ele é uma pessoa honesta. Não estará na hora dele saber que eu sei tudo, ou quase tudo sobre a vida dupla que ele leva? O que é que vocês acham?
Vou fazer uma sondagem sobre isto.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

MARIA, E O CASO DO FRANCIÚ GAY

Quando trabalhava na empresa que referi no post anterior, fazia parte da minha equipa de reservas uma senhora já com 50 anos chamada Maria. Era muito divertida, tinha o cabelo todo branco e revolto, fazia-me lembrar um pouco aquela bruxa dos livros do Patinhas, a Maga Mim.
A Maria tinha muita experiência em viagens, mas muito pouca paciência. Durante anos, tinha trabalhado numa estação de televisão, como agente de viagens e isso tinha-lhe dado cabo dos nervos.
Ora bem, nessa altura trabalhávamos com uma empresa de engenharia na qual existiam alguns clientes, digamos...dificeis. Um deles era um senhor chamado Guillaume, um franciú que tinha a mania que conseguia com as companhias aéreas, tudo o que a nós, agência, nos era proibido. A secretária dele era vizinha da Maria e tinha-lhe dito há um tempo atrás que este senhor era do pior, tirava-a do sério e pegava de marcha atrás. Um dia, a Maria estava a tratar-lhe de uma viagem a França, a uma cidadezinha lá nos confins e a coisa estava complicada. Eu e a Maria trabalhávamos lado a lado e ela estava possessa. Já dava murros na secretária, já gritava, já dizia o indizivel, enfim, estava prestes a ter um ataque. Nós usávamos aqueles auscultadores tipo call center, que se põem na cabeça. A certa altura passa-se o seguinte diálogo entre a Maria e eu;
Maria - Olha, a Dina agora pôs-me em espera e foi falar com o homem ( Guillaume)
Eu - Tá-te a dar música? Pode ser que te acalme.
Maria -Qual musica! Não oiço nada. Já tou tão farta! Já não posso ouvir o nome deste homem! Paneleiro de merda! Se um dia tenho o azar de o encontrar numa encruzilhada à noite, enfio-lhe um pau pelo cu adentro que ele até vê estrelas. Oh raios parta o homem! ....dasse!
Eu -Pode ser que ele goste de levar com pau! Se calhar anda com falta, coitado. -Disse eu a rir que nem uma perdida. O ar dela era demais. Vermelha que nem um pimentão, de cabelo branco pelos ares, parecia mesmo a Maga Mim, prestes a levantar vôo na vassoura. O computador era o seu caldeirão. As teclas do desgraçado eram fustigadas com os murros furiosos da Maria, enquanto ela se espumava de raiva e desespero! Os papeis voavam à sua volta. Só faltava o gato preto para o cenário ser idilico.
A dada altura recebo uma chamada. Tive que acalmar o riso. Era Dina a secretária do homem.
Dina - Oh C. com quem é que a Maria estava a a falar agora mesmo?
Eu - Comigo, porquê Dina?
Dina -É que quando pus a Maria em espera, enganei-me e passei a chamada ao Guillaume. Ele ouviu TUDO o que a Maria disse.
Beeeeeemmmmmmmm. Fiquei para morrer! Fiquei de tal maneira vermelha e dei um "MEU DEUS!" ,tão grande que veio tudo da agência ter comigo. O nosso chefe, ficou para morrer. O nosso director ( o gay ) só dizia " São umas putas estas secretárias, são umas putas! Vejam bem! Nem utilizar um telefone sabem! O que elas precisam é de fricção de peito de homem, é o que elas precisam."
Resultado final:
- Como estávamos na altura do carnaval e o Guillaume era uma peste na empresa onde trabalhava, a coisa foi relevada e a agência não sofreu represálias. Penso que toda a gente na empresa dele gostaria de o empaular.
- Desde esse dia até ao dia em que a Maria se reformou antecipadamente, o nosso amigo Guillaume não quiz mais ninguém para lhe tratar das viagens a não ser ela. Os pedidos das viagens dele deixaram de ser feitos pela Dina e passaram a ser tratados directamente entre o próprio e a Maria.
Talvez tivesse esperança de um dia a encontrar numa encruzillhada à noite. E, quem sabe, ela cumprir a promessa.

quarta-feira, 19 de novembro de 2008

A SALA OVAL

Caros leitores, hoje trago-vos uma estória linda. Nem sei como não vos contei isto há mais tempo!
Trabalhei durante 5 anos numa grande empresa francesa que foi comprada, mais tarde por um banco português e desde aí tem vindo a decair. Nessa empresa, como em todas as empresas ligadas ao turismo e à aviação, existiam muitos gays. Pelo menos 4. Embora só houvesse a certeza em relação a 3. O 4º ficámos todos a saber ao mesmo tempo.
Ora, numa bela segunda feira, ia eu a entrar no edificio, digo "bom dia" ao segurança e ele responde-me "bom dia" , mas com um ar de troça que eu quando entrei no elevador mirei-me de alto a baixo para ver se algo em mim poderia despertar o riso no homem, às 8h45 da manhã. Entrei na empresa e, ao passar pela cafetaria, digo "bom dia". As minha colegas olham para mim e desatam-se a rir. Bem! Já me tava a passar . Perguntei:
- Mas o que é que se passa?
- Ainda não sabes? - Perguntam elas
- Não! Já o seguranca estava com um ar estranho. O que é que se passa?
- Bem, o Carlos do comercial foi apanhado ontem à noite na sala de reuniões a levar na peida.
Fiquei para morrer. Quer dizer, ninguém sabia que ele era gay, mas também ninguém compreendia como se podia ser tão estúpido! O que se passou foi o seguinte: O prédio onde trabalhávamos tinha 7 andares. Os dois últimos eram de habitação e até ao 5º, o nosso, eram escritórios. Acontece que o vizinho do 6º andar ouviu o elevador funcionar e alguém entrar às 2 da manhã de Domingo, no 5º andar. Ligou ao segurança que foi ver o que se passava. Este, assim que entrou, viu a luz da sala de reuniões acesa e foi ver. Deparou-se com o Carlos de calcinha em baixo a ser enrabado por um gajo. Espectáculo lindo de ser ver! Nem queria acreditar! O nosso director, também ele gay, teve que o mandar embora, claro. Ele mesmo achou aquilo decadente. As palavras dele foram " Se quer levar na peida, vá para um hotel. Não entendo! Ele tem casa. Que raio de fantasia é esta?"
Desde essa altura, a sala de reuniões desta agência de viagens, nunca mais se chamou "Sala Reuniões". Passou a chamar-se Sala Oval. De cada vez que lá tínhamos reuniões, e ainda hoje, pensamos sempre qual teria sido a parte da mesa onde o Carlos...enfim, teve mais prazer.
A partir do dia em que o Carlos saiu da empresa até à actualidade, nunca mais desapareceu comida nossa do frigorífico. Estava sempre a desaparecer. Às vezes íamos almoçar, comida que tínhamos lá deixado de um dia para o outro e...cadê ela? Não havia. Vivia-se um clima de desconfiança. Ninguém sabia quem roubava a comida. Um dia até a insulina de uma colega diabética desapareceu!
Parece que o nosso amigo Carlos fazia grandes farras nocturnas na empresa e quando lhe dava a fome ia à nossa comida! Grandes taras!

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

PASSAGEM DE ANO 1997-1998

Hoje trago-vos uma estória passada antes do meu ingresso na vida real. Ou seja, tudo se passou há 11 anos atrás numa passagem de ano com amigos na Nazaré. Foi a passagem de 1997 para 1998. O meu último ano como gata avulsa sem filhos nem marido.
Fui com 3 amigos passar a passagem de ano à Nazaré. Alugámos um apartamento e fizémo-nos à estrada. Eu tinha 28 anos, a minha amiga L. tinha 30, a B 31 e o A. 28. Ah! E havia um gato, o Pantufa, que tinha poucos meses de vida, aquisição de L . Eu e L eramos as duas miudas solteiras e boas raparigas. L. era testemunha de Jeová, tinha perdido a virgindade aos 26 anos, não bebia nem fumava. Em 1997 havia um ano que não tinha sexo com ninguem. A escolha da Nazaré tinha sido minha pois tinha esperança de vir a cair nos braços da minha paixão da faculdade, o Nelson. Um moreno lindo que me tirava do sério. Mais tarde veio a revelar-se um fiasco sexual, mas isso já é outra história. Ora bem, logo na primeira noite, de 30 para 31 apanhámos todos, incluindo L uma narsa brutal. À meia noite estávamos todos na praça principal da Nazaré, eu com o Nelson numa marmelada pegada e ...não sei que se passou nesta passagem de ano, a minha amiga L. , heis que a vejo com uma garrafa de cerveja na mão e um cigarro na outra. Quem, meus amigos, quem, começa a fumar aos 30 anos????
Guardo recordações que nunca vou esquecer desta passagem de ano. Lembro-me de acordar no dia 1 de Janeiro de 1998 à 1 da tarde com o Pantufa a cheirar-me e eu deitada ao lado de L, com uma dor de cabeça inacreditavel. Durante 4 dias andámos movidos a alcool. Saíamos de casa para almoçar todos os dias por volta das 3 da tarde e, logo aí, começava o consumo de cerveja que durava até madrugada dentro.
A ultima noite foi a mais memorável. Íamos todos os dias a uma discoteca chamada Saidustress, onde velhas de 7 saias dançavam juntamente com pessoal jovem. Aí L conheceu um gajo que achou interessante e toca de curtir com ele, completamente bebeda. Acontece que só passado algum tempo de estar com o dito, é que reparou que ele tinha os dentes da frente todos podres. Vai daí, toca de fugir do gajo. Passada um hora, mais ou menos, estava eu de curte pegada com o Nelson e heis que olho para o lado e deparo-me com L a curtir com outro tipo. Fonix! Como é que é possivel ?! No espaço de 2 horas, 2 tipos diferentes. Nessa noite fomos para o apartamento, eu com o Nelson, L com esse gajo e B. com A. B e A eram um casal, namoravam há 2 anos na altura. Ficaram com o único quarto da casa. L, ficou com o tal gajo na sala e eu e o Nelson ficámos com a casa de banho. Foi aí que o amigo Nelson se revelou um fiásco sexual. Partimos o lavatório, mas a coisa ficou muito aquem das minhas espectativas. Dei o desconto de ser por causa do alcool mas, mais tarde sóbrio, a performance dele não melhorou em nada. 1,2 3 já está! Fonix! O divertido da situação é que, de ouvido à escuta na porta da casa de banho, podiamos ouvir a cama da sala a ranger e a fivela do cinto da L, tlim tlim, ritmadamente. B e A também estavam de ouvido à escuta na porta do quarto.Ou seja, a nossa amiga testemunha de Jeová, foi a grande estrela da noite.
Mesmo assim L. negou, durante meses que se tivesse passado alguma coisa. Como se fosse possivel negar!
E foi assim em 1998 a minha despedida de gata avulsa e o ingresso na vida real. A vida de nós os 4 mudou nesse ano. Nunca mais foi a mesma coisa.
Ficam as recordações.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

NOVO NOME

Com tanta codrilhice que há neste blog, achei que Lingua de Gata é um nome mais adequado a tanta maldicência.

Espero que gostem.

Miau para todos.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

PORTUGAL 1 - MOLDÁVIA 0

Andei um tempo mesmo f...... com o meu chefe pelo que ele está a querer fazer connosco. Então, caída do céu, surgiu a oportunidade de lhe dar uma paulada na cabeça. Heis aqui de seguida, copy paste do skype da conversa que tivemos. Os erros ortográficos são dele. Mesmo assim para um lindinho de leste, já escreve muito bem.
Chefe - Quero saber a tua opiniao sobre os novos cartões de visita. receba os ficheiros, p.f.
Eu - Tá fashion
- Não achas a combinaçao das cores, muito sobrio
- Acho sÓbrio e por isso mesmo bonito, nada de cores garridas, assim parecemos uma agência séria
- Jesus. entao antes nao eramos?
- As pessoas não nos veem como uma agência séria. Desconfiam e por isso acho que assim está bem. Estamos a transmitir a imagem que precisamos. Sabe o que me dizem quando digo que trabalho aqui? Não vai gostar de ouvir.
- As pessoas, tas a referir os colegas de outras empresas do mesmo sector?
- Sim. E outras pessoas minhas amigas. Perguntam : o que é isso?- E eu respondo-É uma agencia de viagens, moldava- eles perguntam; e pagam-te? - Eu digo - Até agora não tenho que me queixar.
- Isto e normal que as pessoas falem, a empresa ainda e jovem, em vias de expansao. e nunca mais dizes que e uma empresa moldava
- Mas é. A origem é moldava e depois o seu nome, quando perguntam quem é o director, é um nome de leste.
- Mas a empresa tem nome, eu não sou a empresa.
- Pois mas é assim. Por isso acho que estão bem cartões de visita , não mude nada, está optimo.
- Ok. em relacao a empresa, estamos conversados? a partir de hoje comecas a dizer que a empresa e portuguesa, apareceu a pouco tempo, tem potencial, recebes em termos, tudo na melhor onda. e depois vais ver como as pessoas irao falar. a imagem da empresa depende em parte dos seus funcionarios
Ah pois é! Ainda no dia anterior apertei com ele para saber quando recebiamos o subsidio de Natal e foi um custo para lhe arrancar uma data. A minha colega moldava diz que costumam receber no fim de Dezembro. Fonix! Eles são Ortodoxos. O meu Natal é a 25 de Dezembro!
Então já para o entalar perguntei : Chefe, recebemos o subsidio de Natal no fim de Novembro ou na primeira semana de Dezembro? Ele bem tentou fugir à resposta, mas lá teve que responder que era na primeira semana de Dezembro.
De qualquer maneira já tenho um discurso preparado para o caso do subsidio não estar na minha conta até dia 10 de Dezembro. Dia 10 sim, para ter a certeza que recebo antes de dia 15;
- Chefe, quem é que não me quer pagar o subsidio de Natal? É você ou o Big boss da Moldávia? É só para saber de quem é que faço queixa no Tribunal do Trabalho.
Ah pois é! Tuga que é Tuga, não perdoa à Mafia de Leste!

quinta-feira, 6 de novembro de 2008

SUBSíDIO DE FERIAS

A minha colega de Portimão foi de férias o mês passado durante 15 dias. Era suposto ter recebido o subsidio de ferias juntamente com o ordenado do mês de Outubro. Acontece que chegou à agência e deparou-se com 570 Eur de ordenado na conta e um recibo para assinar no valor de 890. Ligou-me exasperada. É que quando foi contratada o meu boss disse-lhe que não lhe ia pagar o subsidio de férias. Nessa altura ela respondeu-lhe " Então procure outra. Pelo que me quer pagar e ainda por cima sem subsídio de férias, arranjo empregos aos pontapés" . Face a isto ele contactou o big boss da Moldavia que lhe disse " Não, não pode ser. Com as portuguesas temos que cumprir o código do trabalho. Com as Moldavas a história já é outra. Ou seja; nesta agência, só as portuguesas é que têm direitos, as moldavas não! Fonix! Isto dá cabo de mim. A minha vontade é ir direitinha ao tribunal de trabalho denunciar esta situação. Mas elas aceitam isto assim e enquanto me correr a vida bem aqui, vou deixando estar.
Ontem estive quase a ver a minha vidinha andar para trás e eu a ter que fazer queixa do meu boss. Bem, a minha colega ligou-lhe. A conversa foi assim:
Ela - Escute chefe, recebi aqui um recibo no valor de 890 eur e na minha conta só estão 570. O que falta é para tirar da caixa?
Ele - Pois... lembras-te quando vieste para cá ...- Nesta altura ele ia -lhe, provavelmente dizer que não pagavam subsídio de ferias, mas ela antecipou-se:
-Ela - Ah já percebi, este recibo está mal, você aqui está-me a pagar 30 dias de subsídio de almoço e eu só trabalhei 15. É isso não é? Nunca tivemos problemas com recibos de ordenado antes, não é agora que vamos ter não é chefe?
Ele - Claro, claro. Tenho que te mandar outro recibo para assinares.
Ela -E depois faz-me a transferência do que falta não é? Em todo o lado se recebe o ordenado com o subsidio de férias, senão ninguém ia de ferias.
Ele -Sim sim, claro, depois transfiro-te o que falta.
Agora, ainda não percebi uma coisa. Se o outro lhe disse que ele tinha que nos pagar o subsídio de férias, porque raio estava a ver se pegava com a minha colega? Ia fazer com ela o que faz com as moldavas; elas assinam o recibo em como receberam subsídio de férias, mas nunca lhe veem a côr! Beeeeeemmmm. Se ele se tenta esticar comigo estamos mal. Muito mal!
É que digo-lhe logo que vou ao tribunal de trabalho. E ele já tem problemas que lhe cheguem com a história da falsificação de documentos. Ainda tem esse caso em tribunal. O Big boss da Moldavia nem sabe disso. Portanto acho melhor ele andar manso!
Isto não é normal. Não é mesmo! Não estamos na Moldávia. Isto é Comunidade Europeia. Europa. Civilização. Aqui as pessoas têm direitos. Fonix! Ainda há pouco tempo a minha colega moldava foi de férias para Chisinau ( capital da Moldavia) e quando lá chegou o Big boss obrigou-a a trabalhar na agência dele. Sem lhe pagar nada. Inacreditável! Claro que ela não recebeu subsídio de férias.
Eu não aguento isto. Dá-me vómitos!

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

CLUB HOUSE / HOLMES PLACE

Mudei de ginásio.
Andei no Club House durante 7 anos e agora decidi mudar. Não é que estivesse insatisfeita, gosto muito do Club House. Mas este fica mais perto do meu local de trabalho. Fica mesmo dentro do aeroporto. É o Holmes Place. Fico a pagar o mesmo. Pronto, menos 1 Eur. No geral, este Holmes Place não vale o preço. Senão vejamos; no Club House pago 60 Eur por mês e vou os dias que quero às horas que quero. Aqui só vou poder ir das 14 às 18h45 nos dias de semana. Sábados, Domingos e feriados todo o dia. Se quizer um livre trânsito tenho que pagar 79 Eur. Fonix! Não tem piscina. O Club House tem 2 piscinas. Uma exterior aquecida espectacular! http://www.mestresilva-healthclubs.com/ - Vão lá ver. Enfim...o facto de ser pequeno até pode ser uma vantagem. Os personal trainers conhecem toda a gente, dão mais assistência. Mudei porque, do sitio onde tabalho até lá, são 5m a pé. Poupo, pelo menos meia hora. Assim posso ir ao ginásio e ir buscar os putos sem problema, a horas decentes. No verão volto ao Club House, por causa da piscina exterior. Posso ir para lá apanhar banhos de sol.
Adorei a conversa com o comercial do Holmes Place. Foi assim:
Comercial - Então anda no Club House desde quando? -pergunta ele
Eu - Ora bem, ando no Club House desde...2001.
Comercial -7 anos? Pensei que andásse lá praí há 2, 3 meses!
Eu - Não! Pratico desporto regularmente há pelo menos, ora bem, tenho 39...desde os 25, portanto, 14 anos.
Comercial - O quê?!Tem 39 anos? Bem, está mesmo bem conservada. Deve ser do desporto. Não lhe dava mais de 30, 31. Sim senhor.
Eu - E faço 40 em Março!
Comercial - Bem, espectacular.
Isto faz mesmo bem ao ego!
Depois foi-me mostrar as instalações. Apresentou-me a um personal trainer que me perguntou:
-Então e o que quer melhorar no seu corpo?
- Bem, eu fui mãe há 1 ano - Só queria que vissem a cara do comercial a olhar pra mim de alto a baixo - E ainda tenho alguma celulite nas pernas e acho que preciso de ganhar massa muscular.
Saí de lá com o ego mesmo em cima. É bom acabar o dia assim. A ouvir miudos novos dizerem que pareço 8 anos mais nova. Ai ai!

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

A MULHER DO CHEFE

É inacreditavel como as mulheres são ruins umas para as outras.

Já vos falei aqui várias vezes da mulher do meu chefe. É linda, no conjunto, corpo, cara. A cara é comum mas, a maneira como se arranja, faz dela uma mulher muito interessante. E tem um corpo...ui ui. Adorava poder publicar aqui uma foto para vocês poderem tirar as vossas próprias conclusões. Mas acho que não o devo fazer. Acontece que ela apareceu aqui no Domingo. A minha colega já tinha visto fotos da dita senhora na net.



Agora quanto ao assunto que a trouxe ao nosso modesto ticket office; veio trazer frascos de champô e gel de banho. Não a deixavam embarcar com eles. Ora bem, reparámos, eu e dilecta colega que me acompanha no dia a dia, que a dita cuja senhora usa um champo seco, que podem ver na imagem. Desculpem a minha ignorância...Um champôo seco?!... Para não se lavar a cabeça põe-se aquilo? Não é um bocado nojento? Lança-se uma especie de pó de talco sobre o cabelo e pronto? A minha colega diz que ela tresandava áquilo. Hummm... duvidoso. Muito duvidoso... Ou sou muito antiquada ou prefiro mesmo a águinha corrente com a espuma do champô molhado, enfim, o classico lavar de cabeça.





segunda-feira, 27 de outubro de 2008

UM DIA ATRÁS DO OUTRO

Cá estamos para o inicio de uma nova semana. Não fosse o estado lastimável em que se encontra o meu nariz e até estaria entusiasmada. Afinal no próximo Domingo vou festejar os anos dos meus putos os dois juntos. Ela vai fazer 7 anos dia 30 e ele já fez 1 ano dia 2 deste mês. Como a vida está cara e a crise aperta, vou festejar os dois no mesmo dia. Vai ser engraçado porque convidei as duas matrioskas e o meu boss. Vai ser, talvez, a primeira festa tuga que as criaturas de leste vão assistir. Elas mesmas dizem que não se dão com mais nenhuma tuga a não ser eu. Não é o caso do boss pois teve um caso de vários anos com uma nativa nossa.
Como as coisas aqui no aeroporto estão calmas e não se passa nada de estraordinário vou dar-vos a conhecer um pouco do meu dia a dia. Então é assim;
Levanto-me ás 6h00, tomo banho, visto-me, dou o pequeno almoço aos putos, visto os dois tomo o pequeno almoço e saio. Entro ás 08h00. Saio às 17h00, vou buscar os putos. Ela à escola, ele à ama. Chego a casa, dou banho à mais velha. A seguir dou-lhe banho a ele. Depois visto-o e dou-lhe o jantar. Ponho-o a ver televisão. Faço o jantar, estendo a roupa que lavou durante a noite e ponho nova máquina de roupa a lavar. Por esta altura ele já está impaciente e quer atenção. A comida fica pronta. Chamo-a e dou-lhe o jantar. Chega o meu marido. Sentamo-nos à mesa. O puto quer a todo o custo subir para o meu colo. Paro de resistir e pego nele.
Acabo de jantar, arrumo a cozinha e levo o puto para a cama a cair de sono.
Adormece. Mudo-o para a cama dele, e recebo a irmã que diz que não quer adormecer sozinha.
E pronto. É assim o meu dia a dia.
E o nariz que não para. Parece queo que resta do meu cérebro quer sair por aqui.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

CHEFE, NÃO QUER SABER O QUE ACONTECEU NA SEXTA FEIRA?

Ontem esteve aqui o meu boss no escritório do aeroporto. Então, aproveitei a sua visita e perguntei:
- Chefe, não quer saber o que aconteceu na sexta feira?
- Diz lá - Respondeu ele sem tirar os olhos do papel onde escrevia.
Contei, contei, contei, com todos os pormenores e no fim:
- Ok.Olha, preciso que perguntes à Tap em quanto fica trazer um cão com estas dimensões ( disse enquanto me entregava um papel escrito).

Pronto, como veem, é assim!

O cão em questão é um cachorro pit bull. Vem com a amada dele de Budapeste e vai apagar 135,00 Eur. É a vidinha!

terça-feira, 21 de outubro de 2008

SEXTA FEIRA NEGRA

Sexta feira passada tive um dia de cão (pronto, cadela) na sede da minha agência. Tudo por coisas perfeitamente evitáveis se o meu chefe fosse responsável e não uma criatura de 28 anos, em estado de pura adolescência tardia e com as hormonas aos saltos.

Não é que foi para Budapeste e deixou por pagar o BSP ( entidade que nos fornecesse os bilhetes e que tem que ser paga semanalmente)? Tive que lhe ligar, claro. Pedir numero de conta, passwords de bancos, enfim. Paguei o BSP.

Mais tarde a minha colega matrioska enganou-se a escrever o nome de um cliente. Para o corrigir teriamos que pagar 35 Eur. Havia uma forma de escaparmos a essa penalização se tivessemos o nome da representante da Blue Air. Mas acontece que só ele tem esse contacto. Isto não é normal! Lá lhe ligámos novamente. Como não conseguimos contactar a representante, ele ensinou-nos a fazer a alteração sem penalização. Fonix! Mas isto não deveriam ser coisas que nós deviamos saber? Concentra nele todos os conhecimentos para se sentir indispensável quando está fora! Grrr!

Quando o ponteiro do relógio chegou às 18h30, eu nem queria acreditar. Que alívio, pensei eu. Mal sabia, que o meu dia ainda não tinha terminado.

Ia a passar o aeroporto quando toca o telefone:

- Alô linda, é a Vivi do aeroporto. Olha, tenho aqui uma senhora que não fala português, ela fez uma transferência bancária para pagar a passagem do filho e eu não tou encontrando a reserva. ( É brazuca a Vivi)

Esta história pareceu-me familiar. Uma svetlana que não fala português. Humm.... Era uma reserva minha. Fui ter com ela ao aeroporto. Depois de procurar por todas as emissões de um dia , encontrei a reserva do Dimitri. 3 letras fora do sitio...ele nunca ia conseguir embarcar. Ligámos para o representante da Krasair. Nada, não estava.Tinha acabado de sair do escritório, que fica dentro no aeroporto para ir ao check inn da 1ª classe. Lá fui eu. Chegada lá, tinha saído para o check inn normal. Lá fui eu. Chegada lá, tinha saído para o escritório...Fonix! Já eram quase horas de embarque. Fui buscar o homem e fui com ele ao check inn. Surpresa das surpresas; a menina do check inn tinha sido minha colega de faculdade. Disse-me que precisava mesmo de autorização do representante da Krasair. Dei mais umas voltas pelo aeroporto sem sucesso. Nada! O homem para mim tornou-se um mito. Sei que ele existe mas nunca o vi! A coisa estava preta. Resolvemos embarcar as malas do Dimitri e esperar pelo representante que habitualmente vem sempre ao fecho do check inn. O Dimitri tinha 7 kg de peso a mais. Como não havia tempo para fazer contas a quanto tinha que pagar e ele próprio não falava português, só havia uma solução; tirar peso. Expliquei-lhe por gestos que tinha peso a mais e que tinha que retirar coisas. Abriu a mala e tirou 3 sacos de roupa.

Faltavam nesta altura 45 minutos para o vôo sair e nada do representante. Habitualmente vem ao fecho do check inn, habitualmente...mas não naquele dia! Eram 21h15. Então pensei; Estes mafiosos de leste conhecem-se todos uns aos outros, portanto o meu boss deve de certeza conhecê-lo. Liguei-lhe. Rezei para que não estivesse a dormir. Lá é uma hora mais tarde. Musica alta, uma grande animação. O boss estava num bar.
- Chefe, tem o numero de telemovel do representante da Krasair?
- Sim, é o 91........
- Obrigada. E desliguei.

Liguei ao gajo, expliquei-lhe o sucedido e ele autorizou o embarque do Dimitri. Lá foi ele escoltado pela hospedeira que ia para a manga 18 que era ao lado da dele, a manga 19.

Nunca mais faço reservas a Dimitris pelo telefone. Há o risco de eu não perceber nada do que dizem e dar este resultado! Liguem para a sede. Lá falam russo e moldavo!

E pronto. Cheguei a casa às 22h10.

Agora vocês perguntam: Então e o teu chefe não te perguntou para que querias o número do gajo da Krasair? Não te ligou mais tarde para saber o que tinha acontecido?

Meus amigos, nada. Até hoje ele não quiz saber. Aliás, hoje é Terça Feira e ele ainda não veio buscar a chave da sede para entregar à matrioska o que significa que ela tem ficado no minimo meia hora à espera dele de manhã. O homem nunca chega a horas.
Aqui fica mais um episódio da minha vida.

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

VÁ PÓ C.....

Na segunda feira passada o meu chefe disse-me: vou precisar da tua ajuda na quinta, sexta e sábado da próxima semana, vou estar fora. Queria ele dizer que precisava que eu viesse para a sede. Era para trabalhar este fim de semana no aeroporto e tirar folga na quarta e quinta para ir ao médico com o meu puto mais novo. Falei com a minha colega, arranjei maneira do meu marido ir ao médico com o puto e pronto, o boss estava livre para tratar dos seus negócios. Na terça feira fui ao Amadeus ( sistema de reservas das agências de viagens) ver se a minha colega da noite tinha emitido bilhetes para eu fazer o relatório. Heis que me deparo com o nome do meu boss num bilhete emitido. E para onde? Budapeste. Nem mais nem menos que a cidade onde se encontra a sua nova conquista. Uma tal que ele me pediu ajuda para confirmar uma lista de espera. A "amiga" para quem eu aluguei um carro a preço low cost! Fonix! Deixei eu de acompanhar o meu babe à consulta do seu primeiro ano de vida, por causa da hormonas do meu chefe. Para ele ir a Budapest esvasiá-los. Pelos vistos a boazuda da mulher já deixou de cumprir as obrigações matrimoniais.
E agora, na sede:
- Alô! Fala Russo?
- Não
- Fala Moldavo?
- Não
- Então vá po c_ _ _ _ _ o! - E desliga o telefone!
Pronto! É assim que eu sou tratada aqui pelos Dimitris. Já me disseram: - F...dasse! e desligam o telefone! Também há os mais softs: Oh pá escurpa lá- e desligam.
Eles falam bem português quando querem!
Ligou hoje de manhã o boss, de Budapeste. Claro que não dei a ver que sabia onde ele estava.
- Olá, tudo bem? As vendas?
- As vendas? A A. tem vendido muito bem. A mim já me mandaram para o dito cujo e desligaram-me o telefone.
- Mandaram-te para onde?
- Para o dito cujo, não vai querer que eu lhe diga com todas as letras para onde me mandaram, não?
- Não, não. Não faço questão. Mal educados!
E pronto. Já me tinha esquecido como é linda a vida no Reino da Moldavia.
É sempre bom lembrar.

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

THE AMERICAN DREAM - A QUEDA DE UM MITO

Estive agora mesmo a ler o blog da Andreia do Flautim e ela tem razão. Há muita gente invejosa neste mundo.
Lembrei-me de um caso passado comigo há uns 12 anos atrás quando eu ainda era uma criatura nova e inconsequente e morava naquele magnifico bairro de chelas. Tinha uma vizinha de cima que estava havia 10 anos emigrada nos Estados Unidos. Quando ela emigrou tinha 13 anos e eramos muito amigas. Quando voltou passados esses 10 anos fiquei contente. Vinha de férias por 3 meses. Foi uma altura má da minha vida. Tive uma grande depressão. Sentia-me sozinha, triste. Tinha saído de uma relação que me tinha deixado de rastos. Fiquei contente com a companhia dela. Pensei que podia confiar. Ela estava gordissima. Pensava 150 kg. Tinha uma cara linda. Era uma pena ser tão gorda. Eu, com a depressão que estava, nem comia. Pesava 45kg. Era um palito.
A Lena (era assim o nome dela) tinha-se transformado na tipica americana hipócrita. Não dizia um palavrão. Odiava a nossa liberdade de expressão e, sobretudo, queria-se manter virgem até ao casamento. O que diga-se de passagem, com 150kg, não devia ser dificil.
Foi uma fase em que saltei de relação em relação, parecia que nada dava certo na minha vida. Então um dia, não sei que lhe deu, resolveu escrever uma espécie de artigo de jornal com todas as confidências que eu lhe tinha feito. Nunca fui nenhuma santa mas tentava fazer com que os meus pais soubessem o menos possivel da minha vida pois são muito tradicionais. Para quê desiludilos? Há 12 anos atrás ainda existiam pais pré 25 Abril como aqueles da série conta-me como foi.
Ora bem, ela escreveu a porcaria do artigo e mostrou aos meus pais. E a seguir foi entregar a todos os meus vizinhos. O que ela não contava era que grande parte deles se estivesse completamente a borrifar para o que eu fazia da minha vida. Uns não quizeram aceitar dizendo que não tinham nada a ver com isso. Os que aceitaram nem devem ter lido. Ou se leram, nem cheguei a saber. É que no 4 andar moravam uns pretos muito meus amigos mas com pouca queda para a leitura, no segundo andar uma velha cusca que de certeza que leu, ao lado uma mulher com um filho toxicodependente que anunciava aos 7 ventos que desde que o marido morrera, o vibrador era o seu melhor amigo. No primeiro andar moravam uns ciganos que nem ler sabiam e ao lado pessoas com mau feitio que lhe devem ter fechado a porta na cara. No r/c, não quizeram saber. A minha sorte e o azar dela, é que sempre tratei todos os meus vizinhos com respeito e eles nunca tiveram nada a dizer de mim. Portanto só mesmo ela e a vaca da minha vizinha do lado, que tudo fez para me desgraçar a vida, é que acharam interessante a dita carta.
Eu também a li. Escrita à mão por ela, sem um unico erro. Só pode ter sido a cachorra louca da vaca do lado que a ajudou. Dizia especificamente o numero de namorados que eu tinha tido, com quantos pinei, as pessoas com que saí, enfim, tudo. A frase mais usada era "ela faz o que quer!" Devia ser isso que a deixava louca. É que eu fazia mesmo o que queria. Saía com os meus amigos, passava fins de semana fora, enfim, tudo o que ela não fazia porque os pais eram daqueles mesmo torcidos que nunca a deixaram sequer estar à janela se soubessem que havia homens na rua.

Os meus pais não fizeram nenhum comentário. Apenas disseram que eu não devia confiar tanto nas pessoas. Fiquei muito triste.Tive uma recaída. Afinal nem numa amiga podia confiar.
A partir do dia em que ela mesma se sentiu humilhada pela situação que me criou, tive que levar com o Marco Paulo e seus semelhantes aos gritos todas as manhãs incluindo sabados e domingos.
Era a vingança!
Passados estes anos todos fiquei a saber, há pouco tempo, que ela tem uma filha. Engravidou mas o gajo não quis ficar com ela.
É a queda de um mito.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

SENEGALESES

Continuando a minha ronda pelas nacionalidades, aqui fica mais uma história made in Aeroporto da Portela;
Na ultima sexta feira a minha colega esteve de folga, logo, estive sozinha.
A primeira venda do dia foi um billhete da Air France, Lisboa - Paris -Turin. Vendi a uma senhora de idade senegalesa, vestida etnicamente, com vestido e turbante amarelo às flores pretas, sendo ela mesma, preta retinta. Acontece que esta senhora estava acompanhada de um batalhão de gente, uns pretos outros brancos. Quem conversou comigo o tempo todo foi uma outra senhora branca, com pronuncia estrangeira. Estavam todos preocupados com a senegalesa pois iria ter que fazer escala em Paris e tinham medo que se perdesse. Achei estanhao pois os senegaleses falam francês. Depois do bilhete pago e emitido a mulher branca perguntou se podia ali deixar a preta. Eu respondi que sim, claro. Eram 10 da manhã o vôo dela saía às 15h00. Como sempre faço para evitar enganos, li o bilhete à senhora; hora de saída, de chegada, escala, tudo. Foi aí que me dei conta que ela não falava quase nada de francês. Falava um dialeto qualquer senegalês. Aí vi que estava enrascada. Saí do balcão, sentei a mulher numa cadeira e fui ao balcão da Air France ver como me podiam ajudar com uma criatura de turbante, que não fala francês, nem inglês e muito menos português. Aconselharam-me a pedir uma cadeira de rodas pois neste caso,seria a unica forma da mulher ter assistência em todos os aeroportos até ao avião.
Quando voltei ao balcão, a mulher tinha desaparecido. Só vi a mala dela. Olhei à volta e dei com a figurinha a querer entrar para o check inn. Tinha ouvido falar em Air France nos altifalantes e achou que era o vôo dela. Oh céus! Sentei a velha na cadeira novamente e expliquei-lhe, por gestos, que o vôo dela era só as 15h00. Ela olhou p mim, apontou para o estomago e disse "de l'eau, manger". Fonix deixaram-me a velha sem comida e sem dinheiro! Entrei no meu balcão, dei-lhe a minha água e uns bolos que tinha trazido de casa. Ali ficou ela a comer e a lhar para mim como se o mundo dela se reduzisse à minha pessoa. Muito preta, de turbante amarelo.
Sentei-me no computador, pedi a cadeira de rodas e liguei para a policia para me virem buscar a velha e a guardarem até ao embarque. Chegou a policia. O policia pegou na mala dela, olhou para ela e disse para ir com ele. Ela olhou para mim com cara de ponto de interrogação e eu fiz que sim com a cabeça. Mais tarde chegou o rapaz com a cadeira de rodas. Foi à esquadra e levou-a com ele para um café.
Pensei que os meus problemas tinham acabado. Perto do meio dia estava eu a atender um cliente, aparece-me ela. Em frente ao meu balcão, simulou o acto de se sentar na sanita. Queria-me dizer que precisava de ira à casa de banho. Entreguei-a a uma rapariga do aeroporto que passava, para lhe indicar o caminho.
Oh meu Deus! Há gente muito má! Quem se lembra de deixar uma criatura que só fala um dialecto africano, com alguém que nunca viram? E se eu fosse uma péssima pessoa que me estivesse a borrifar para a mulher? Francamente!

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

BRASILEIROS

A semana passada vendemos aqui 4 bilhetes para o Brasil com a Iberia. Passada uma semana aparecem cá os passageiros a dizer que afinal já não podiam ir e que precisavam de ter o dinheiro de volta. Ora, sendo uma tarifa quase low cost para o Brasil, não tinha o reembolso na totalidade. Tinham, da parte da Iberia um penalty de 140 Eur, e da nossa, 40 Eur ( a nossa taxa de emissão) por pessoa. A minha colega explicou aos clientes que, concerteza teriam o reembolso dentro destas condições, mas que teriamos que aguardar que a Iberia nos reembolsasse a nós para, posteriormente, os reembolsarmos a eles. Acontece que os clientes queriam o reembolso na hora e disseram que tinham ido à Iberia e que lhes tiinha sido informado que nós teriamos que os reembolsar imediatamente. Isto é pura mentira! As companhias aéreas entalam os agentes de viagens de uma maneira vergonhosa. Em vez de nos apoiarem porque têm em nós um parceiro forte, não senhor. Fazem de tudo para nos denegrir a imagem! É inadmissivel! Nos velhos tempos em que as agências de viagens tinham 9% de comissão em cada bilhete, não se ouvia falar em falências de companhias aéreas.Será que já se deram conta disto?
Ora bem, depois deste falatório todo passaram 2 dias. Os brazucas apareceram cá ontem. Surpresa das surpresas; tinham ido fazer queixa de nós à ANA ( administração do aeroporto), e vinham cá pedir o reembolso novamente. Precisavam do dinheiro já! Estavam em grandes dificuldades. Tendo em conta isto, demos-lhes um cartão da nossa agência, ligámos ao nosso chefe e mandámos os senhores à nossa sede para levantarem o dinheiro,uma vez que nós não tinhamos 2000 Eur em caixa. Passada uma hora aparece a mulher. Disse que o marido estava naquele momento a fazer queixa de nós na policia, dizendo que não lhes queriamos dar o dinheiro. Isto tem lógica? Fonix ! Até me passei! Daí a nada aparece o homem com dois policias. Nós dissemos aos policias que nunca lhes tinhamos dito que não devolviamos o dinheiro, que eles só ainda não estavam na sede da nossa agência, não sabiamos bem porquê. Enfim, encurtando a história; devolvi 700 Eur ao homem ali na altura e mandei-o, mais uma vez, à nossa sede para receber o resto. Durante este periodo um dos policias segredou-me ao ouvido ( nós vamos andando. Algum problema a nossa extenção é a 20...)
Os policias viram logo que aquele pessoal não era bom da cabeça. O homem tinha ar de assaltante de bancos, a mulher só se lamentava "O meu filho tá no hospital, não temos dinheiro nem para a gasolina" Enfim, um filme.
A parte cómica da situação foi quando o homem nos disse "Eu liguei lá na vossa sede e atendeu uma talibã que nem português falava". Era a nossa matrioska mais nova. Tadinha! Quando lhe disse no skype, que o brazuca lhe tinha chamado talibã ela respondeu: "ele disse ao chefe que telefono para aqui na agencia e que o agente respondeu mal, quer diser EU. mas oje nium brazileiro falo com migo"
Tadinha! O estupido do homem deve ter ligado para lá, ela atendeu com o seu habitual "Alô Bona Ziua" e o idiota desligou sem dizer nada.
Quando tudo acabou, recebi um telefonema do meu chefe " Então, como acabou tudo? A policia o que fez?" Ora bem, a grande preocupação do meu boss era exactamente, a policia!
E foi assim o grande acontecimento desta semana.
Sempre em grande!

terça-feira, 7 de outubro de 2008

GREGOS

Até agora as minhas colegas vinham trabalhar ao Domingo e vendiam, no máximo 1 bilhete. Eu não sei! Só a mim! Vim eu trabalhar este Domingo, preparada com um livro e revistas para passar melhor a seca que ia levar e...vendi 10... sim 10.... bilhetes. Tudo entre as 9 e as 13 da tarde. Faziam fila. Foi um inferno! Eu não sei! Será que sou eu que atraio os clientes? Eles vêm-me ao longe e pensam logo " Tá-me mesmo a apetecer comprar um bilhete!" Deve ser! Já no Sábado, outro dia chato por natureza, fiz 4000 Eur de vendas! Fonix! Até me passei! Devo ser eu que tenho cara de bilheteira!
Ainda por cima levei a manhã inteira com um grego que só falava grego, nem inglês nem nada. E só tinha 320 Eur para bazar de Portugal para a Grécia. Vi-me grega para o entender e mais grega ainda para me livrar dele.

Ah mas ainda deu para reparar nas lindas calças aos quadradinhos azuis e verdes do vizinho da frente. Lindo! Afuniladas em baixo. E camisa amarela. UAU! Mas onde é que nós estamos? Em que planeta? Começo a achar que devia ser obrigatório usar farda no aerooporto.

sábado, 4 de outubro de 2008

NOVO FOCO DE INTERESSE

O vizinho do balcão em frente ao meu.
Ah pois é!!!! Eu sabia que havia de encontrar um novo foco de interesse para escrever.
Tenho um vizinho aqui no balcão em frente ao meu que é....do best! E dizia a gaja de lá, mal do meu chefinho! Ela que tem um colega assim! Ora bem; criatura nos seus 50 e muitos anos, cabelo branco ralo, 1,80 de pessoa, magro. Na ultima quinta feira sua excelência vestia calças amarelo canário e casaco cor de merda de bébé pequeno. LINDO! Pensei que se tratava de caso pontual de mau gosto. Só que hoje cá estava ele de novo. Desta vez calças cinzentas tão sujas que pareciam saidas de um qualquer raid de escuteiros nocturno com dormida ao relento incluida. Mas, não ficava por aqui; atencão..... camisa branca às bolas azuis escuras. Oh yes! E, a cereja no topo do bolo; óculos à motoqueiro. Dir-se-ia saído de uma qualquer época que não consigo identificar.
Não o consigo incluir em nada que tenha visto ou vivido até agora nos meus quase 40 anos de vida. Nem mesmo nos gloriosos anos 80, tão famosos pela sua diversidade. Ao pé dele a minha colega moldava é uma top model. Agora que penso nisso....olha que lindo casalinho que eles faziam! Ela é nova demais, mas fonix, era lindo ver um casalinho assim.
Mama mia!

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

AMAZING MOMENTS BY PATRIOSKA

Yesssssssssss!!!!!!!

I did it!

Ele vai mesmo mandar-me para o aeroporto! Ah ganda patrioska! Segundo as minhas colegas esta palavra "patrioska" não existe na lingua russa nem na moldava. Foi inventada por mim. Dizem que se eu inventar um boneco parecido com as matriokas e o registar como patrioska, ainda posso vir aganhar muito guito.
Pois é caros leitores, consegui. Vou ter mais tempo para mim e para a minha familia. Há é o risco deste blog perder um pouco o interesse pois ele assentava exactamente nas matrioskas e no dito cujo. Pode ser que apareçam outros pontos interessantes.
Há sempre a minha comadre e a casa de putas. Ah, é verdade, não vos contei; ofereceram-lhe 1000 Eur por 1 hora. Ela não aceitou. 1000 Eur por uma hora...humm...são 16 Eur por minuto. E ela diz que o gajo valia a pena. Enfim... com tanta gaja boa à volta dela, oferecem-lhe 1000 Eur a ela. Faz bem ao ego. Muito bem mesmo.
Acho que o patrioska tem outra gaja. Anda bem disposto. Alegre. Ontem espalhou-se ao comprido aqui a subir a escada. Foi lindo! Ia-me mijando a rir. E ele a olhar para mim. Até lhe perguntei se tinha lanchado água ardente. Acabou por se rir também. A seguir pisou a minha pastilha elastica que estava no chão ao lado do caixote. Teve que sair para arranca-la do sapato. Enfim, durante 5 minutos tivemos THE BEST OF do boss. Foram momentos inesquecíveis. Ele a esfregar o pezinho no tapete com ar desolado, ele a cair redondo no chão....Momentos que ficam para sempre.
Mi gusta!

quarta-feira, 24 de setembro de 2008

UM CAFÉ NUM COPO DE PLASTICO COM PALHINHA

Pois é, tem sido assim a minha vida desde que comecei a branquear os dentes. O homem do café da frente já não me pode vêr. Acha tudo muito estranho. Mas o facto é que resultou. Estou com uns dentes como nunca tive!
O meu chefe já falou com a matrioska do aeroporto e ela já disse à minha colega tuga que segunda feira que vem se muda para cá. Só eu é que ainda não sei de nada. A mim ele ainda não me disse. Já o ouvi falar com o moldavo-môr. A minha colega do lado traduziu. Ele disse ao outro que eu ia para o aeroporto e a Matrioska vinha para cá. Mas pronto, não sei de nada. Tudo é decidido nas minhas costas à bela maneira moldava.
A minha colega do lado começou segunda feira passada a usar uns sapatos horriveis, bicudos. Só falta serem de verniz, também. Oh meu Deus! O que tem o povo de leste com os sapatos bicudos? Não entendo! Deve ser porque está quase de ferias e vai um mês para a Moldavia. É para ir lentamente voltando às origens.

That's it!

terça-feira, 23 de setembro de 2008

DENTES AVIÕES E MATRIOSKAS

Estou a fazer um branqueamento aos dentes. Durante o tempo em que o estiver a fazer não posso beber café, chá e sumos com muitos corantes. Ora bem, eu bebo 3 cafés por dia. Tive que arranjar uma solução para a minha dependência da cafeína; passei a beber café por uma palhinha. É um bocado anti-social. Quer dizer, as chavenas são pequenas, não fica muito bem beber assim, publicamente, uma bica por uma palhinha. Digo aos senhores dos cafés para me darem um café num copo de plástico para levar e uma palhinha. Assim bebo o meu cafezinho em privado e não mancho os dentes. Está a resultar o tratamento. Estou ficar com uma dentola à maneira. Agora é que as matrioskas se passam!
Voltando ao assunto principal deste blog: acho que o meu chefe me vai mandar para o aeroporto. Só que a matrioska de lá diz que se vier para aqui, não quer trabalhar nenhum sábado. Como é sabido, eu aqui, trabalho um de 15 em 15 dias. Vamos ver.
Noticias que chegam de leste: a Aeroflot faliu e a Krasair está em vias de falir. Falir ou "falimentar" como dizem as minhsa colegas! É assim a vidinha! Toca a todos!
Entretanto a matrioska mais nova anda com melhor aspecto. Devem ser influências da minha roupa. Mesmo assim há combinações de cores e tecidos que ela faz, que me mexem com os nervos. Penso que vou ter que me habituar.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

CEGO CEGO É O AMOR!

Eu não dizia? Pois bem, hoje tive a confirmação. O miseável do meu chefe vive para pagar as mordomias de sua Exa. A mulher dele é, aquilo a que os brasileiros chamam, uma "Teúda e Manteúda". No site russo onde ela tinha expostas as fotos em que exibia as suas formas esculturais quase tal como Deus a pôs no mundo, jazem comentarios do meu chefe. Ele diz para ela ter vergonha de se expôr daquela maneira, porque até já tem comentarios de outros homens. Na foto onde aparece a vista da casa dela ele diz; sim é uma linda casa, e quem paga a renda? Ou seja, supõe-se que já estejam separados e ele sustenta-a. Pobre desgraçado, o que ganha ali não dá quase para ele pagar a casa onde vive quanto mais a dela com vista para o mar!
Ela já tirou as fotos em que estava quase nua. Claro! Senão...acabou-se a mesada!
Realmente o amor doentio dá cabo da vida das pessoas! Ela é de facto linda. Aproveita-se do pobre desgraçado e suga-o até á medula. Ele faz todas as vigarices que faz por causa dela. Deve ser para a manter afastada da má vida. Só que, só um cego não vê, não esta a resultar.
E pronto, voltei à base. Já estou de novo com as matrioskas. Hoje foi um dia de lanzeira completa. Não fiz nada. Não vendi nada. Simplesmente limitei-me a estar ali.
Será que ele quer que eu esteja ali tipo recepcionista para o caso de aparerem tugas a pedir informações?
A minha colega do lado diz que não quer a matrioska do aeroporto ali no meu lugar porque ela, para lém de ser velha, é burra. Mas também concorda que 5600 Eur de vendas...dá que pensar.
Enfim, nasci para sofrer!

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

CSI MOLDAVIA

Afinal hoje continuei no aeroporto. Abri a loja às 7h30 e antes das 8 já tinha vendido dois bilhetes.
Tudo corria sobre rodas. O dia prometia. E de que maneira! Nem eu sabia!

A minha colega da sede, aquela que, quando lá estou trabalha mesmo ao meu lado, ligou-me perto das 11h, depois de eu já ter vendido mais 3 bilhetes, a dizer o seguinte;
- Sabes, é uma vergonha, foi aqui a policia e levaram o chefe.
- Tás a gozar - Disse eu
- Não, não está a gozar. Veio aqui dois homens mostraram os cartão, perguntaram pelo chefe e levaram num carro. Como há dois anos atrás. Só que até agora não sabemos nada. Já foi há meia hora- disse ela.
Oh meu Deus! Pensei que o iam enjaular de vez. Mas, como é do conhecimento comum, actualmente não prendem ninguém e o meu chefe não é nenhum assassino. Pelo menos que eu saiba. Portanto, passadas umas horas devolveram-nos o homem. Bem disposto, falou logo comigo e deu os parabéns a mim e à minha colega nova pelo excelente dia.

Ah, afinal já sei como ele tem o cartão do aeroporto. Não, o cartão não é falso. O registo criminal dele é que é. Porque, tive a confirmação, o homem tem mesmo cadastro. Oh meu Deus!

Foram mais de 5000 euros em vendas hoje. Um dia em cheio em todos os sentidos. Já lhe disse que o melhor era eu ficar ali para sempre. Não volto a insistir. Ele disse que ia pensar. À boa maneira moldava, daqui a um mês deve ter a decisão tomada. Se algum dia a tomar.


quarta-feira, 17 de setembro de 2008

ÚLTIMO DIA DE PAZ

Ultimo dia de paz no aeroporto. É verdade, parece mentira mas é no aeroporto que tenho paz e me sinto normal. Embora haja stress só de olhar para a movimentação de gente, aqui sinto-me em casa. Amanhã já vou voltar à agencia onde o não ter nada para fazer me mexe com os nervos. A permanente presença do chefe sempre para cá e para lá a fumar o belo cigarro, dá cabo de mim pela inercia que emana. Céus! Mas pronto, não posso fazer nada, é ele que me paga. Sou paga para estar presente e para não fazer nada. É a vida!
Ontem quase vi a minha vida andar para trás. Os meu planos são; ficar nesta agência até Novembro mais ou menos e depois sair. Quando a minha cara metade começar a ganhar Euros que se vejam, eu saio para contruir uma carreira brilhante na AIG, a seguradora com quem tenho contrato. E ontem quase tive uma paragem cardiaca quando vi o que esteve prestes a acontecer nos EUA. Fonix! Embora em Portugal a AIG esteja bem, aquilo foi muito má publicidade. Mais vale ligar para um potencial cliente e ele nunca ter ouvido falar da AIG, do que ligar e ele saber perfeitamente quem somos, pelos piores motivos. Mama Mia!
Não vejo a hora de me livrar do mercado étnico, dos russos, moldavos, romenos e etc. Não me interpretem mal, não sou racista. Mas estou tão farta de ter que dizer que, não, não falo moldavo nem russo, embora agência seja de moldavos. Porquê? Porque sou portuguesa! E, porra, eles não moram e trabalham em Portugal? Então porque raio é que não são eles a falar português? Se eu emigro para um país não devo, à partida adaptar-me a ele começando por aprender a lingua? Até parece que o russo e o romeno são linguas globalmente faladas como o francês e o Inglês. Pretenciosos!

terça-feira, 16 de setembro de 2008

MAYBE I' LL DIE ANOTHER DAY - HOJE NÃO QUE ESTA BOM TEMPO!

Cá estou de volta onde gosto mais de estar: no aeroporto. Aqui não cheira mal, há movimento, estou com uma colega portuguesa muito porreira e sou tratada pelos clientes como uma pessoa normal. Não sou discriminada por ser portuguesa.
Ontem também estive aqui, mas só abrimos o balcão duas horas mais tarde. Vá lá saber-se porquê o chefe atrasou-se. O exemplo deve vir de cima, mas neste caso não vem. É a vidinha! Fui eu ao concerto da Madonna, dormi cinco horas, cheguei aqui dez minutos antes das oito, para depois andar a vaguear pelo aeroporto durante duas horas, a ver estas criaturas irem de férias ou simplesmente bazarem daqui que era o que me apetecia fazer. Fonix!
Ora bem, mas mudando de assunto; fiquei a saber uma cusquice daquelas! Todos nós sempre soubemos que o Marco Paulo ( aquele do microfone de mão em mão) era gay. Eram só supeitas mas agora...agora caros amigos, temos certezas. Quase que poderia dizer; EU VI! Sei de fonte segurissima que foi a Elvas dar um concerto e ficou num quarto de casal com o seu road manager e amante. Oh yes! Its true! E agora, penso eu, como se sentiriam todas as suas fãs que o amaram e idolatraram durante anos e anos se soubessem com certeza que o seu idolo pega de marcha atrás? Como? Como se sentiria a minha ex vizinha do lado que me acordava há vinte anos atrás ao som da Anita de blue jeans e blusão de cetim? Como? A malvada gorda que me atormetou na adolêscencia!. He he! Aquele passar o microfone de mão em mão, nunca me enganou. E aquele penteado sempre deixou muito a desejar.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

IT GOES ON AND ON AND ON

Caros e fieis leitores, estou de volta ao smell.
Depois de um dia em cheio de trabalho como foi ontem no aeroporto, cá estou eu de volta à base. Ontem senti-me uma pessoa normal. As pessoas falavam comigo, ninguém me desligou o telefone na cara, enfim, fui tratada como uma agente de viagens normal. O meu chefe ficou todo contente porque vendi cinco bilhetes. Bem, parece-me ser um grande feito. Até ontem o maiximo de vendas por dia eram 2 bilhetes. Sendo assim, não sei para que serve o balcão do aeroporto.
E, dizia eu, ontem fui feliz, tirando um acontecimento que me fez lembrar onde e com quem eu de facto trabalho.
Passo a contar:
Foi à hora de almoço. Como não tenho cartão do aeroporto ( levei o do meu chefe) não tenho desconto nos restaurantes. Como é do conhecimento geral, a comida no aeroporto é caríssima. Lá não se almoça por menos de 10 Eur. Então, dirigi-me ao balcão em frente ao meu e perguntei às meninas que lá estavam se me podiam dizer o sitio mais barato do aeroporto para comer. Elas falaram no Mac Donalds. Mas - disse eu - o Macdonalds fica depois de passar a segurança e eu tenho o cartão do meu chefe, não me vão deixar passar. Ah- repondeu uma delas- o cartão do seu chefe.. deixe-me ver o cartão do seu chefe...hum que idade tem este homem? 27 anos- respondi eu. Pois, 27 anos- respondeu a outra- e já com uma grande escola. Pensam que vêm para cá enganar as pessoas! Eu tenho que ter uma conversa com este senhor porque ele já anda a abusar. Mas o que fez ele?- Perguntei eu. E aí a resposta e o tratamento já foram diferentes. Nada que lhe interesse - respondeu ela. E olhe - continuou - não tente passar a segurança com esse cartão senão ainda fica sem ele. Isso só pode ter sido ideia do seu chefe, trazer o cartão dele. Pensam que vêm para cá enganar as pessoas - continuava ela.
Por isso, caros leitores, como podem ver, ainda não há um mês que temos o balcão no aeroporto e já temos a fama que temos graças aos esticanços do meu chefe. Não há paciência! O homem mancha a reputação de qualquer empresa. Fonix! Fiquei a ferver! Só gostava de saber, o que foi que ele andou a aprontar.
E já agora, também gostava de saber como é que um gajo com cadastro por burla e falsificação de documentos tem um cartão de acesso ao aeroporto. Juro que gostava!
Para rematar; acabaram de entrar aqui uns ciganos romenos que deitam um smell que até me está a dar vómitos. Estão fartos de gritar com a minha colega do lado. Não faço ideia do que dizem mas estão chateados. Xiiii! Agora o velho está a dar palmadas na própria testa com uma raiva que até a mim me doi!
Ai meu Deus! Wellcome to.... wherever you are!

quinta-feira, 11 de setembro de 2008

11 DE SETEMBRO

Tinha que ser precisamente hoje que estou no aeroporto.
A matrioska que aqui está habitualmente tirou folga. E tinha que ser logo hoje!
Ainda agora aqui esteve um lindo que queria um bilhete para o Uzebequistão. Fonix!
Houve uma altura que olhei para o gajo e achei que ele estava a rezar. Pensei logo que se ia explodir! Acho que no Uzebequistão eles não são muçulmanos....Não sei. Sou muito ignorante em materia de paises cujos nomes acabam em ão.
Acabei de ver agora na net e olhem o que encontrei:
Demografia Uzbequistão:
Ver artigo principal: Demografia do Uzbequistão
Grupos étnicos: uzbeques 80%, russos 5.5%, tajiques 5%, coreanos 4.7%, cazaques 3%, karakalpak 2.5%, tártaros 1.5%, outros 2.5%
Religião: Não há religião oficial. Islamismo 88% (maioria de sunitas), Igreja Ortodoxa 9%, outros 3% (incluindo alguns budistas).
Idiomas: uzbeque (oficial), russo e tajique
O gajo era mesmo talibã! Eu sabia! E ainda por cima disse que voltava mais tarde.
Ui ui! Querem ver que é hoje que eu faço história!

ROUPAS NOVAS

Como precisava de espaço nos armários lá de casa, fiz uma limpeza.

Perguntei à matrioska junior se conhecia gente que precisasse de roupa minha que eu já não uso. Disse que sim , para eu levar que ela mesma, se lhe servisse, usaria.

Limpei as gavetas e alguns armários e 3 sacos cheios, a abarrotar, de roupa minha e do meu marido.

Quando cheguei à agência disse-lhe " olha não se como vais levar isto tudo para casa, se calhar é melhor levares um saco por dia, é muita coisa e vais de transportes". Ela mora em Sintra. De Lisboa até Sintra é um esticão! "Muito obrigada, muito obrigada" Dizia-me ela. Até um abraço me deu. Oh céus! Mas será possivel que ela não tenha mesmo dinheiro? Não posso crer. A mulher trabalha que nem uma mula! Não gasta nada! Ela tem que ter dinheiro. Deve ser é tipo tio Patinhas.

Há muita gente em Portugal que precisava mais da minha roupa usada do que ela. Mas o facto é, caros leitores, que eu precisava de lavar a vista. Já não podia mais olhar e ver sempre o mesmo cenário de matrioska vestida à 80's. Já não dava. Ao menos assim vai passar a usar roupa do inicio do século XXI. Porra mesmo assim já lá vao oito anos. Bem ao menos não são vinte, são oito!


No fim do dia, heis a surpresa; levou os 3 sacos a abarrotar de roupa. Sim, sim...levou! E lá foi, qual lavadeira dos anos 20, mas de metro e comboio e não de carroça como nos velhos tempos. Nem queria acreditar.

De manhã já me agradeceu do fundo do coração, pois dei-lhe muitas coisas boas. E que Deus me ajude do outro lado ( palavras dela). Estou comovida.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

ITS IN HIS BLOOD

Tá-lhe no sangue! É mais forte que ele. Não lhe resiste. Ao dinheiro. Mesmo que não deja dele. Desde que esteja ali, à mão de semear, o meu chefe não resiste.
Foi apanhado a desviar guito outra vez. A minha colega apanhou-o. Desapareceu guito de cinco bilhetes do ano passado. Só se deu conta este ano porque estas coisas demoram tempo. Além disso o leste, nestas cenas de companhias aéreas, ainda está muito atrazado. Se fosse cá já se tinha dado conta há muito mais tempo.
O facto é que a vigarice está-lhe no sangue. É um homem com bom coração, sinto isso. Mas a honestidade não é o forte dele. Agora não sei como isto vai acabar. O Big Moldavo ainda não sabe. Vamos ver se é possivel ele não vir a saber. Isso só depende aqui da minha amiga do lado.
Oh meu Deus!
Ah! Hoje não foi dia de banho para a Matrioska Junior. Está extremamente escorregadia.
Esta é outra! Não consigo entender! Será para poupar água?
Só se deve lavar por baixo. Como as nossas bisavós. E lavar-se por baixo....já será muito bom.
Minha mãe do céu!

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

GOSSIP GIRL

O cheiro continua!

Já sei porque é que os clientes vêm aqui, pedem as informações e depois vão comprar a outro lado. Pedem informações por delicadeza e depois fogem espavoridos para comprar os pacotes de viagem noutra agência. Para quem vem de fora o cheiro a alho aqui dentro é insuportavel. Eu tenho que viver com ele. Sou paga para isso. Mas quem tenha poder de escolha, não volta mais.

Só fiz referência ao que vou escrever a seguir, uma vez e por alto. A minha colega mais nova, só deve tomar banho duas vezes por semana. Há um dos dias que ela aparece aqui com um cabelo lusídio, separado em madeixas, gordura pura. Se tivesse o azar de ter que lhe mexer na tola, certamente teria que lavar as mãos logo de seguida pois iriam ficar....lhac...nem gosto de imaginar! Já por diversas vezes pensei que o smell vinha dela, mas não. Quando me chego mais perto não é a alho que me cheira. A criatura troca de roupa de dois em dois dias. Mesmo com 40 graus em Agosto. Mesmo que num desses dias tenha vestido um polo às riscas de manga comprida com uma saia às flores tipo padrão de cortinado, mesmo assim, ela só troca de roupa passados dois dias.

Sou muito má lingua eu! Sei disso. Mas que posso fazer? Tenho que tirar de dentro de mim estes podres que me corroem a alma! Tenho que partilhar estes factos! Tenho mesmo! Parece que se escrever, o fardo me parece mais leve.

E os sapatos do meu chefe??? Ah voces ainda não sabem!..... Pois é! O meu chefe usa uns sapatos de verniz pontiagudos, tipo daqueles dos chulos da Av. da Liberdade. Acho que já nem os chulos usam este tipo de sapatos. Segundo consta, é moda na Moldavia. Moda para os novos ricos. Diz-se que os dele são de um estilista XPTO de leste, muito famoso.

Este é um facto que me preocupa, pois se eu tiver a pouca sorte de aqui ficar e tivermos que fazer promoção do novo operador turistico especialisado em países de leste, quem irá às agências dar a conhecer o produto? Se for ele não vamos vender nada e ainda vamos ficar com a reputação manchada. Vão falar de nós como o "Operador dos Sapatos de Verniz"! Oh meus deuses!

We're fucked up!