sexta-feira, 21 de novembro de 2008

MARIA, E O CASO DO FRANCIÚ GAY

Quando trabalhava na empresa que referi no post anterior, fazia parte da minha equipa de reservas uma senhora já com 50 anos chamada Maria. Era muito divertida, tinha o cabelo todo branco e revolto, fazia-me lembrar um pouco aquela bruxa dos livros do Patinhas, a Maga Mim.
A Maria tinha muita experiência em viagens, mas muito pouca paciência. Durante anos, tinha trabalhado numa estação de televisão, como agente de viagens e isso tinha-lhe dado cabo dos nervos.
Ora bem, nessa altura trabalhávamos com uma empresa de engenharia na qual existiam alguns clientes, digamos...dificeis. Um deles era um senhor chamado Guillaume, um franciú que tinha a mania que conseguia com as companhias aéreas, tudo o que a nós, agência, nos era proibido. A secretária dele era vizinha da Maria e tinha-lhe dito há um tempo atrás que este senhor era do pior, tirava-a do sério e pegava de marcha atrás. Um dia, a Maria estava a tratar-lhe de uma viagem a França, a uma cidadezinha lá nos confins e a coisa estava complicada. Eu e a Maria trabalhávamos lado a lado e ela estava possessa. Já dava murros na secretária, já gritava, já dizia o indizivel, enfim, estava prestes a ter um ataque. Nós usávamos aqueles auscultadores tipo call center, que se põem na cabeça. A certa altura passa-se o seguinte diálogo entre a Maria e eu;
Maria - Olha, a Dina agora pôs-me em espera e foi falar com o homem ( Guillaume)
Eu - Tá-te a dar música? Pode ser que te acalme.
Maria -Qual musica! Não oiço nada. Já tou tão farta! Já não posso ouvir o nome deste homem! Paneleiro de merda! Se um dia tenho o azar de o encontrar numa encruzilhada à noite, enfio-lhe um pau pelo cu adentro que ele até vê estrelas. Oh raios parta o homem! ....dasse!
Eu -Pode ser que ele goste de levar com pau! Se calhar anda com falta, coitado. -Disse eu a rir que nem uma perdida. O ar dela era demais. Vermelha que nem um pimentão, de cabelo branco pelos ares, parecia mesmo a Maga Mim, prestes a levantar vôo na vassoura. O computador era o seu caldeirão. As teclas do desgraçado eram fustigadas com os murros furiosos da Maria, enquanto ela se espumava de raiva e desespero! Os papeis voavam à sua volta. Só faltava o gato preto para o cenário ser idilico.
A dada altura recebo uma chamada. Tive que acalmar o riso. Era Dina a secretária do homem.
Dina - Oh C. com quem é que a Maria estava a a falar agora mesmo?
Eu - Comigo, porquê Dina?
Dina -É que quando pus a Maria em espera, enganei-me e passei a chamada ao Guillaume. Ele ouviu TUDO o que a Maria disse.
Beeeeeemmmmmmmm. Fiquei para morrer! Fiquei de tal maneira vermelha e dei um "MEU DEUS!" ,tão grande que veio tudo da agência ter comigo. O nosso chefe, ficou para morrer. O nosso director ( o gay ) só dizia " São umas putas estas secretárias, são umas putas! Vejam bem! Nem utilizar um telefone sabem! O que elas precisam é de fricção de peito de homem, é o que elas precisam."
Resultado final:
- Como estávamos na altura do carnaval e o Guillaume era uma peste na empresa onde trabalhava, a coisa foi relevada e a agência não sofreu represálias. Penso que toda a gente na empresa dele gostaria de o empaular.
- Desde esse dia até ao dia em que a Maria se reformou antecipadamente, o nosso amigo Guillaume não quiz mais ninguém para lhe tratar das viagens a não ser ela. Os pedidos das viagens dele deixaram de ser feitos pela Dina e passaram a ser tratados directamente entre o próprio e a Maria.
Talvez tivesse esperança de um dia a encontrar numa encruzillhada à noite. E, quem sabe, ela cumprir a promessa.

6 comentários:

provocação disse...

Lol!!!Que tirada!!!Puxa, demais! Ele só a quis até ao fim para ser chato só com ela, do que tu te livraste :D

Andreia do Flautim disse...

LOL, então mas afinal ele até gostou da conversa!

Afrodite disse...

Eheheheh eu sou tipo a tua ex colega Maria, não na aparência fisíca mas nas barracas que dou ;).

Ahhh houve uma vez que estava eu na vossa situação, com um cliente na linha, eu pedi que aguardasse que ia verificar o problema e...tirei o som, nisto oiço a gaja do outro lado "estas putas não percebem nada disto, agora fico aqui è espera!". Eu calmamente ponho som e digo "Chamou-me???"...a gaja do outro lado atrapalhada "Quem? Eu? Na..na..não...estava aqui a falar com uma colega, não era consigo. Desculpe!"..e eu continuei calmamente " Se precisar de mim é só chamar que eu estou a ouvi-la perfeitamente!". Ela "ah, obrigada!". Eheheheheheheh foi lindo mas desta vez não fui eu a dar barraca. :)

Abreijinhossss

Mr Nelson disse...

LOL! Realmente foi uma bela descrição!
Apenas uma retificação a "Maga Mim" não existe nos livros de BD do "patinhas"... existe a "Madame Min" e a "Maga Patológica" tens de escolher uma :)
Mas de resto está brutal!

Cadinho RoCo disse...

O melhor de tudo é esta sua conclusão, porque procede, sem dúvida.
Cadinho RoCo

Nelson disse...

Fonix!!!!! Granda cena...