domingo, 21 de dezembro de 2008

UMA ESTÓRIA DE AMOR

Apaixonei-me pela primeira vez quando tinha 14 anos.
O meu pai era policia, portanto tinhamos direito a casas de habitação social. Mudámo-nos para o bairro de Chelas quando eu tinha 13 anos. Os meus pais sempre foram muito retrógados. Eu não podia sair com os meus amigos, não podia sair à noite,enfim, tratavam-me como se tivesse sempre 10 anos. A adolescência era um conceito desconhecido na cabeça deles.
Então conheci o Vitor, pela janela do meu quarto. Lembro-me tão bem! Ele era um puto sem barba com mais 1 ano que eu. Passava os fins de tarde à janela para ver se o via. Ele já trabalhava nessa altura. Era daqueles putos rebeldes que seguem à risca as letras das musicas dos Bon Jovi e do Bruce Springsteen, como se fossem uma religião. "Tommy used to work on the docks".... Pois é... Lembro-me do meu primeiro beijo dado por ele ao lusco fusco, uma noite depois do jantar. Fui despejar o lixo e ele lá estava à minha espera. Ainda tenho o diário onde escrevia todas estas aventuras. Acho que se o publicasse agora era um best -seller.
Chegámos a namorar ainda uns anitos. Viamo-nos quando eu ia para o liceu logo pela manhã. Quando voltava ao fim do dia, ele ia buscar-me. Muitas vezes me baldei às aulas e ele ao trabalho para estarmos juntos.
Mas meus pais tanto fizeram, que conseguiram separar-nos. Mudei de casa. Chelas. Mas Chelas é um mundo. A distância acabou por fazer com que ele engravidasse uma outra rapariga. A velha musica do Bruce Springsteen: " Then I got Mary pregnant..." (The River). A vida deste homem é uma musica dos anos 80.
Passados 10 anos encontrámo-nos um dia, por acaso no autocarro e tudo voltou. Foi aí que, finalmente houve pinocada e foi aí também que a magia acabou.
Eu trabalhava no posto de turismo da Câmara de Lisboa nos Restauradores. Uma vez ele foi lá buscar-me. Apanhei uma vergonha....Ele de camisola de alças branca, com um fio de ouro grosso ao pescoço...Céus! Mas ultrapassei isso; era o meu Vitor que ali estava.
Nessa altura acabei por perceber que os nossos mundos eram muito diferentes. Ou seja "Tommy works on the docks", sim, mas a"Gina works the diner all day", não era para mim. Nessa altura já tinha tirado um bacharelato, estava no meio da lincenciatura e aprendia linguas uma atrás das outras. Ele achava isso tudo um disparate. Para quê tanta coisa, tantas linguas, tantos cursos? Deu-me cabo da cabeça um verão inteiro. Tinha-me reencontrado, era só isso que lhe interessava. Iamos ficar juntos, pensava ele. No fim do Verão acabei tudo. Nunca seria feliz no mundo dele. Acabei por perceber.
Afinal o amor não resiste a tudo. Não resiste a tanta diferença.
Ele casou de novo com uma rapariga, que, deve ser, a mulher que todos os homens gostariam de ter. Feia como os trovões, mas de uma dedicação que eu nunca na vida teria. Ele é pintor de construção civil. Ela trabalha como doméstica em casas de familia. A pobre mulher levanta-se todos os dias mais cedo para fazer o almoço para ele levar para o trabalho, porque o senhor não gosta de comida aquecida do dia anterior! Ele não faz NADA em casa. Quando chega já tem tudo feito. A vida resume-se a levantar-se e ir trabalhar todos os dias. Fonix! De vez em quando falamos e ele fala-me da vida dele, de como podia ser feliz se tivesssemos ficado juntos. Já lhe disse que nunca ia dar certo. Eu não sou mulher para lhe dar a vida que ele tem. Preciso de mais que isso para ser feliz. E sou feliz agora.
O tempo parou naquela cabeça. Para ele vamos ter sempre 14 anos.
Como a minha vida poderia ter sido diferente se tivessemos ficado juntos! Neste momente decerto não teria dentes e estaria gorda e flácida. Em compensação teria um bando de filhos uma casa da câmara de Cascais e um carro novo de 3 em 3 anos (O meu tem 9 anos) . Euribor??? O que é isso?!

15 comentários:

Maldonado disse...

É uma história tocante, que reflecte a realidade típica dos thirthy something, lusamente denominados de trintões, ou seja, a nossa geração. :)
Passámos um pouco por essas vicissitudes da adolescência e vivemos parte das que retratas na actualidade (neste e noutros posts). :(
Esse tipo de homem e de mulher não é assim tão raro como pensas. Infelizmente a maioria dos trintões casados ou em união de facto que conheço tem atitudes idênticas às que enuncias... :|

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Hahahahahahahahhahahahahahahahahahahahahahahah que eu adorei este post! também gosto de associar uma musica ou partes da sua letra à minha vida! pois, quando estamos na acção dizemos "na volta era ele o homem da minha vida"... e depois vemos que no fundo, ele nao tinha o que nos queriamos realmente ter!

O Vitor que fique ali e tu.. aqui :)

Beijo meu ♥,

A Elite

Mr Nelson disse...

Bem! estou sem palavras... não pela "estória" em si... mas pela tua personalidade, cultura e capacidade de agir.
Com a tua escrita conseguiste transmitir totalmente o que se passa na realidade, com muitos casais portugueses da nossa geração...
Por isso o amor acaba...
Por isso hà divorcios...
Voltaste a subir mais uns valores na minha consideração!

Marquês de Sade disse...

Grande blog!
Curti à brava!

Vanessa. disse...

Adorei este blog, de verdade!

Andreia do Flautim disse...

Safaste-te de boa, acredita!

Graça disse...

Passei para desejar um Feliz Natal e um excelente 2009 :) :)

Bj *********

provocação disse...

Ui o querido não gosta de comida aquecida? Havia de calhar comigo, ou aderia à sandocha ou passava fome...Há mulheres que são umas santas...

tronxa disse...

ehehehe gata!!

eu a ler o teu post e lembrar o k aconteceu cmg!!

tb tive o meu primeiro namorado aos 13 anos e davamos uns beijinhos e andavamos de maos dadas!!

estive 24 anos sem o ver, e quando nos voltamos a ver, tb nos embrulhamos!

eu ja estava separada e com 3 filhotes, ricas kecas davamos!! ehehehe

mas realmente ja nao tinhamos sido feitos um para o outro... ele nao é pedreiro... é professor universitario, mas com uma mentalidade militarista e uma maneira de ver o mundo totamente diferente da minha!!

eu sou uma baldas e tento aproveitar todo este "arzinho" k me deram a respirar, gosto de estar rodeada de amigos, ele nao tem amigos... gosto de educar os filhos numa base de respeito mutuo, ele educa os dele na base de "a casa é minha e fazem o k eu kero"... enfim...

nao ha keca k valha termos ao nosso lado alguem que nao veja a vida de uma parecida com a nossa!

la acabei com a coisa...

feliz natal para ti e para os teus!!

bjnhssssssss nataliciosshe

Ynot Nosirrah disse...

Bonita história.
Mas não desanime, pois passei aqui hoje para prestigiar seu trabalho e trazer a paz do Senhor que me foi oferecida na missa do domingo passado.

Feliz Natal.

http://conscienciaacademica.blogspot.com/

Da gordura à formosura disse...

Bolas! O rapaz realmente parou no tempo! Não acho problema a profissão dele (embora pareça que o moço não tinha grande vontade de dar uso aos neurónios),mas a maneira como leva a vida e ainda mais, como faz a mulher levar a vida...Por mais que gostasse de um rapaz não ia ficar calada em relação ao facto de ser a sua empregada doméstica!Porra, temos que nos ajudar uns aos outros!
Bem, mas vim aqui também para te agradecer as palavras, para te desejar um Natal muito, muito feliz com os teus filhotes e marido e dar-te uma fatia do meu prémio do desafio,lol.
Beijinhos e diverte-te.

jorge_m. disse...

Olá,
infelizmente isso acontece muito, é o país que temos, as pessoas não se interessam muito com formação e essas coisas, apesar de tudo acho que fugiste de boa! lol...

... espero que tenhas um FELIZ NATAL cheio de coisas boas!!

bjs

anaaaatchim! disse...

se calhar mais valia nunca mais o teres encontrado, e de vez em quando continuares a pensar o que teria sido da tua vida se... :) (mas sem saberes a realidade, que pelo que contas é horrorosa, hahaha!)

paula teixeira disse...

Chiça miuda, do que te livraste! Mas achei fantastico a cena de te ir buscar ao trabalho com camisola de alçs e fio ao pescoço....é o sonho de ualquer mulher .....lol

Nelson Domingos disse...

ehehehehehheeh!!!!!! eu sabia.....lololol