quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

BOAS FESTINHAS DA VOSSA BICHANA ONLINE

Веселого Рождества!
クリスマスおめでと。

สุขสันต์วันคริสต์มาส
Noflike Krystdagen

শুভ বড়দিন

圣诞快乐! Καλά Χριστούγεννα

LA MULTI ANI CRACIUN FERICIT
F E L I Z N A T A L

domingo, 21 de dezembro de 2008

UMA ESTÓRIA DE AMOR

Apaixonei-me pela primeira vez quando tinha 14 anos.
O meu pai era policia, portanto tinhamos direito a casas de habitação social. Mudámo-nos para o bairro de Chelas quando eu tinha 13 anos. Os meus pais sempre foram muito retrógados. Eu não podia sair com os meus amigos, não podia sair à noite,enfim, tratavam-me como se tivesse sempre 10 anos. A adolescência era um conceito desconhecido na cabeça deles.
Então conheci o Vitor, pela janela do meu quarto. Lembro-me tão bem! Ele era um puto sem barba com mais 1 ano que eu. Passava os fins de tarde à janela para ver se o via. Ele já trabalhava nessa altura. Era daqueles putos rebeldes que seguem à risca as letras das musicas dos Bon Jovi e do Bruce Springsteen, como se fossem uma religião. "Tommy used to work on the docks".... Pois é... Lembro-me do meu primeiro beijo dado por ele ao lusco fusco, uma noite depois do jantar. Fui despejar o lixo e ele lá estava à minha espera. Ainda tenho o diário onde escrevia todas estas aventuras. Acho que se o publicasse agora era um best -seller.
Chegámos a namorar ainda uns anitos. Viamo-nos quando eu ia para o liceu logo pela manhã. Quando voltava ao fim do dia, ele ia buscar-me. Muitas vezes me baldei às aulas e ele ao trabalho para estarmos juntos.
Mas meus pais tanto fizeram, que conseguiram separar-nos. Mudei de casa. Chelas. Mas Chelas é um mundo. A distância acabou por fazer com que ele engravidasse uma outra rapariga. A velha musica do Bruce Springsteen: " Then I got Mary pregnant..." (The River). A vida deste homem é uma musica dos anos 80.
Passados 10 anos encontrámo-nos um dia, por acaso no autocarro e tudo voltou. Foi aí que, finalmente houve pinocada e foi aí também que a magia acabou.
Eu trabalhava no posto de turismo da Câmara de Lisboa nos Restauradores. Uma vez ele foi lá buscar-me. Apanhei uma vergonha....Ele de camisola de alças branca, com um fio de ouro grosso ao pescoço...Céus! Mas ultrapassei isso; era o meu Vitor que ali estava.
Nessa altura acabei por perceber que os nossos mundos eram muito diferentes. Ou seja "Tommy works on the docks", sim, mas a"Gina works the diner all day", não era para mim. Nessa altura já tinha tirado um bacharelato, estava no meio da lincenciatura e aprendia linguas uma atrás das outras. Ele achava isso tudo um disparate. Para quê tanta coisa, tantas linguas, tantos cursos? Deu-me cabo da cabeça um verão inteiro. Tinha-me reencontrado, era só isso que lhe interessava. Iamos ficar juntos, pensava ele. No fim do Verão acabei tudo. Nunca seria feliz no mundo dele. Acabei por perceber.
Afinal o amor não resiste a tudo. Não resiste a tanta diferença.
Ele casou de novo com uma rapariga, que, deve ser, a mulher que todos os homens gostariam de ter. Feia como os trovões, mas de uma dedicação que eu nunca na vida teria. Ele é pintor de construção civil. Ela trabalha como doméstica em casas de familia. A pobre mulher levanta-se todos os dias mais cedo para fazer o almoço para ele levar para o trabalho, porque o senhor não gosta de comida aquecida do dia anterior! Ele não faz NADA em casa. Quando chega já tem tudo feito. A vida resume-se a levantar-se e ir trabalhar todos os dias. Fonix! De vez em quando falamos e ele fala-me da vida dele, de como podia ser feliz se tivesssemos ficado juntos. Já lhe disse que nunca ia dar certo. Eu não sou mulher para lhe dar a vida que ele tem. Preciso de mais que isso para ser feliz. E sou feliz agora.
O tempo parou naquela cabeça. Para ele vamos ter sempre 14 anos.
Como a minha vida poderia ter sido diferente se tivessemos ficado juntos! Neste momente decerto não teria dentes e estaria gorda e flácida. Em compensação teria um bando de filhos uma casa da câmara de Cascais e um carro novo de 3 em 3 anos (O meu tem 9 anos) . Euribor??? O que é isso?!