sábado, 4 de fevereiro de 2012



Quando finalmente entendemos que o amor é o mais importante da vida, esta torna-se mais fácil de levar.
O verdadeiro amor estende-se para além do estado físico. Afinal a morte nada mais é que uma mudança  em que toda a nossa essência se mantém.

Como tal, não entendo quem ache bonito viver  para alem da idade considerada " normal".
O que faz alguém neste mundo que não produz, e ainda depende de outros para viver?
Não entendo!
Onde está a beleza disso? Um ser enrugado, encolhido, dependente....bahhh...!!!

terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Guito Guito Guito...

                                     



Não sou uma pessoa gananciosa. Gosto de dinheiro como todos certamente  gostam e preciso dele pois tenho pessoas que dependem de mim para viver. Sou responsável por eles, fui eu que os trouxe ao mundo e como tal, não me descarto dessa responsabilidade. Fazer com que cresçam felizes, com as necessidades preenchidas e que, quando forem jovens adultos, tenham com eles as armas que os poderão levar a que tenham a vida que mais desejarem.

É por isto que luto dia após dia. É por isto que muitas vezes me sinto cansada e culpada de não lhes dar a atenção que sei que merecem e devia dar-lhes. Muitas vezes duvido se serei boa mãe por não brincar mais com eles, por não ter mais paciência...chego a duvidar do que seja mais importante, comprometer o futuro deles, não tendo dinheiro para lhes proporcionar a educação que considero melhor, as actividades que os farão mais preparados para a vida, ou estar mais disponível...não sei.

Por tudo isto acho muita piada às pessoas que dizem de nada precisar. Deixam os filhos ao deus dará, com o lema " a vida é deles, eles que façam por ela quando chegar a hora". Não é isto descartar-se de responsabilidades? E acusam-me   de ser gananciosa  e só pensar em dinheiro, viver no futuro.  Se eu fosse uma pessoa avulsa, sem ninguém que não eu mesma para me preocupar, não viveria no amanhã certamente. E talvez nem me preocupasse com o meu futuro. Mas não sou...tenho duas pestinhas que dependem de mim.

É bom dizer que não se precisa de dinheiro quando se tem o dos outros para viver,  não é?  Enquanto houver quem nos ponha comida na boca até podemos andar rôtos.  Eu também pensaria assim se não tivesse ninguém a meu cargo.

Mas não é o caso...