sexta-feira, 16 de março de 2012

A MINHA TIA EMILIA

Há muitos, muitos anos...talvez uns 30, tinha uma tia muito velha vinda do Alentejo, que vivia na Brandoa. A Brandoa era, na altura, local  de construções clandestinas vitima do exodo rural..

A velha senhora vivia, na quase civilização que a Brandoa oferecia, pois  tinha mercearias bem recheadas, farmácias, posto médico, um mercado e camionetas que a levavam até Lisboa, Mas a tia Emilia continuava a sua vida como se estivesse, ainda, na vila de Colos ( Baixo Alentejo, quase Algarve). A filha, minha madrinha, vivia com ela, a prima; minha mãe, vivia a 300 metros, e metade da juventude de Colense, havia-se mudado para a Brandoa. Vá lá entender-se porquê. Vivia-se  o pós 25 de Abril. Sentia-se o fervilhar das ideias na cabeça das pessoas, mas havia, ainda, uma certa renitência em as pôr em pratica.  Resquícios do antigo regime. E  nem sempre o que ia na cabeça das pessoas eram coisas bonitas.

Tia Emilia,  velha de 70 e muitos anos, desdentada, buço, lencinho na cabeça, costas arqueadas, bengala de madeira e fado no olhar, teve um dia, uma bela surpresa.

Estava sentadinha no sofá quando o telefone ( maquina dos infernos! ) toca.

- Está lá - grita
- Estou sim -  respondem do outro lado
- Quem fala? - pergunta
- Daqui fala o homem da pixa gorda
- É o quei? - Pergunta  a velha aos  gritos, não acreditando nos seus ouvidos
- Daqui fala o homem da pixa gorda -  Repete o fulano do outro lado
- Ah filho dum cabrão! - tia Emilia aos gritos -  É só isso que t'engorda filho dum cabrão?

Este episódio runs in the familly

Forever and ever.


quarta-feira, 14 de março de 2012

DECISÕES DE PRIMAVERA

Esta semana tomei algumas decisões importantes.

Primeira; vou deixar de engomar roupa.
Cansei-me de passar horas do meu precioso fim de semana rodeada de roupa amarrotada. E mais; depois de a engomar ainda tenho que a arrumar. Chega! Querem lençóis engomadinhos? Vão dormir a um hotel! Pijamas na gaventinha? Então não?! Por acaso passeiam os pijamas na rua, para terem que ser engomados? Ahhh poizé! Meias emparelhadas? Estão dentro do cesto, é só ir lá e escolher. O menino quer a camisinha engomada? A tábua e o ferro são todos seus! Eu cá faço o mesmo se quiser   andar engomadinha. 

Segunda; vou deixar de repor o papel higiénico na casa de banho. Fonix! Que mania que esta família tem de ir à casa de banho, usar o restinho e deixar lá o rolo de cartão vazio. Tinha pensado, já, em colocar um papelinho nos azulejos a dizer;  REPONHA O PAPEL, LEMBRE-SE DE QUEM VEM A SEGUIR. Mas depois pensei que tal não serviria de nada porque eles são preguiçosos por natureza. Então decidi que para além de não repor, também não irei acudir aos apelos deles quando acabarem o servicinho e  virem com ar de pânico que não há papel. Hehehe... já os estou a imaginar pela casa com as calcinhas a meio da perna a correr para  irem buscar o papel....hehhehe. E sim... vou mesmo lá escrever isto no rolo...hhehehe
E aqui a je, vai ter sempre um rolo num sitio estratégico, mesmo à mão de semear.
Ahhh, sou má não sou??? Hehehehe!!!