quarta-feira, 28 de março de 2012

PAIXÃO OU UM ESTADO FÍSICO EM ESTADO DE ALMA


A paixão por alguém,cega, emagrece, faz caminhar nas nuvens. É tão bom!
Não é possível, biologicamente,  viver em paixão constante, permanente. É humanamente impossível. Está provado cientificamente, que é totalmente inviável alguem viver assim.
E no entanto, é um estado de alma tão, mas tão...elevante...
A paixão trás-nos em constante  ansiedade; as horas a que vamos ver o outro, os minutos que estamos separados. A mera recordação daqueles olhos, daquela boca, leva-nos a sentir mais do que é possível as mesmas sensações  de  quando estamos juntos. É um fogo que nos queima... O sexo tem todo o peso numa relação de paixão pura. A vida gira em torno do momento em que te vou beijar, abraçar, sentir-te, sentir o teu cheiro, a tua pele...o teu corpo no meu...
É um estado doentio. Como se o outro fosse a nossa razão de viver " se me deixas morro" , " és a minha religião" . Enfim...tudo elevado ao expoente máximo do desejo. A minha razão de viver és " tu", e tudo o que me fazes sentir.
A paixão, cega-nos. Leva-nos a um estado tal, que o que vemos pode até nem existir. Mas  tudo faz sentido quando estou contigo.

É perfeitamente perceptível a  outras pessoas o estado de paixão de outras duas. A energia que gira em torno de duas pessoas em estado de paixão, é tão pesada, tão quente, tão densa, que só os olhares trocados entre os dois podem provocar calor no publico mais atento...é surpreendente e absolutamente impossível não sentir, o calor, a atracção....o fogo que emanam.

Somos invadidos por uma quantidade de sentimentos contraditórios.  O nosso espírito confunde-nos, o nosso corpo derrete-nos, a realidade  desvanece-se e só existes tu para mim. Como foi possível existir até este momento sem ti? Sinto o teu cheiro até na tua ausencia, ficáste no meu olhar, na minha pele, nos meus sentidos, no meu corpo!  Como é bom!!!!

E a ausência do outro mata-nos. Deixamos de comer, de dormir, deixamos de nos viver. Porque não é possível viver sem ti. E só de saber que respiras o mesmo ar que eu...e só de saber que este sol também te queima, que a tua  lua é a mesma que a minha...
E até desejamos, não querer tanto, não desejar tanto, mas ao mesmo tempo queremos  querer tanto assim, desejar tanto assim, sentir tanto assim! Não te quero mas desejo-te. Não desejo desejar-te mas quero-te além do limite do que é querer e sinto para além dos meus sentidos um desejo imenso inigualável...mais...muito mais até, do que digo sentir.

 E ...é bom que não vivas  sem mim, porque não quero viver sem ti. Sentimento obsessivo de posse! E até essa obsessão doentia sabe bem. Porque só quero pensar em ti, mesmo que não o queira.Porque só te quero amar, mesmo que não to diga. Porque só tu me preenches e sem ti não sei ser.  Que doença!

Não é boa a paixão. Mas a vida não seria a mesma se não a tivéssemos experimentado pelo menos uma vez.

Quando acaba, fica o amor. Aquele sentimento que nos faz querer bem ao outro, mesmo que ele viva sem nós. Aquele sentimento bonito que nos faz desejar até, estar com a outra pessoa mesmo com os seus defeitos, que acabamos por aceitar e  gostar.

O amor alimenta-nos a alma, pacifica-nos, faz-nos ver a vida a dois, como um todo. O outro é um ser independente de mim, não é parte de mim. Estamos juntos não porque somos iguais, mas porque as nossas diferenças fazem sentido juntas.

 Podemos amar uma vida inteira e ser realmente felizes sem ansiedade nem obsessão.

O amor não mata. Constroi. Alimenta. Liberta-nos.

Mas a paixão queima!
Sentimento destrutivo, construtivo, obsessivo. Quente. Doentio. Ardente.Desgastante...Inigualável!!! Que nos faz sentir vivos e nos mata!!!
A Paixão é nada mais nada menos que,
Um estado físico em estado de alma!
Tão bom!

segunda-feira, 26 de março de 2012

BEIJO

Ha alguns anos falei aqui mesmo neste meu magnifico espaço ( magnifico, sim, quem não gosta não lê! ), na importância do beijo numa relação.

Dei o meu primeiro French Kiss, aos 13 anos. Antes disso eram só  aqueles beijinhos inocentes do bate o pé.  Foi uma experiência algo perturbadora, pois se, por um lado me despertou a libido, por outro deixou-me completamente lambuzada. O pobre tinha a mesma idade que eu, por isso a experiência não era muita. Isto no inicio dos anos 80. Hoje em dia, acredito que os meninos e meninas já nasçam com esse dom.  Só tive um beijo potente, daqueles mesmo de me deixar sem ar, de me levar a ver estrelas, tinha eu  14 anos. Por isso passei um ano  a ser lambuzada e a perguntar-me a mim mesma se aquilo era  tudo o que havia.

O beijo, é quanto a mim um dos factores mais importantes numa relação. É por aí que tudo começa. Não é possível pensar que  gostamos muito de uma pessoa,  mas  a pobre não saber  beijar. Beijar é coisa que não se ensina. É um dom, um feeling, um je ne sais pas quoi, que  já nos nasce entranhado. É uma coisa física mas tem que ser dado com alma, senão, soa a falso.

Já perdi uma oportunidade de escalada social porque a criatura em causa beijava sem língua.Aquilo era tipo, pinar sem haver sexo, se é que tal é possível.  Era um rapaz encantador.Era giro, sexy e rico. Tinha tudo para fazer uma mulher feliz. Mas beijava sem língua.E tratava-me por " a menina, você" Fonix!  Estão a ver o que é estarem com alguém que vos diz " a menina não quer vir aqui mais para o pé de mim? " ou "  tem a certeza que não se quer despir?" . Pois... quando eu  já estava mesmo a pensar que seria boa ideia despir-me, apesar da "menina" eis que ele me beija! E pronto, lá se vai a vontadinha toda. Aquela coisa só de lábios, sem conteúdo, só saliva...bahhh... um beijo incompleto. O que me levou a pensar, " o que será que ele faz mais, sem língua?"

Definitivamente NÃO!

Estão a ver. Por isso é que digo que não tenho estofo para ser puta. Podia ter tido uma vida magnifica. O homem era podre de rico. Podre!!! E tinha uma casa ao pé da praia. O sonho de qualquer gaja que se preze. Ainda por cima morreu novo. Ataque cardíaco. Por esta altura eu seria uma tia que viveria dos rendimentos.
Feita estúpida troquei tudo por um beijo.
Um beijo que não foi só um beijo.
Um beijo que significa noites quentes e dias coloridos.

Afinal como seria a minha vida só com o verde das notas?
Nem o azul do mar da varanda da minha casa teria o mesmo gosto que tem agora a autoestrada ali ao lado.
O que há de melhor do que acordar de manhã e ver as cores do céu, sentir o calor do sol, tudo colorido por um longo, sexy, beijo molhado dado com toda aquela coisa física da alma? Nada pode ser melhor que saber que os dias passados nesta encarnação irão ser pontuados de liberdade e beijoquice.

Muita, muita beijoquice.